segunda-feira, 28 de março de 2011

Laboratório de física da UFRN não foi destruído.

O laboratório de física da UFRN não teve a sua infra-estrutura destruída há 4 semanas, no Campus de Natal, pelo professor Carlos Chessman de Araújo Feitosa, conforme noticiou um leitor de O POTI, edição de ontem, na seção de cartas, que se identificou como Talles Rodrigo. È uma notícia velha e tudo está funcionando normalmente. Apenas uma parede foi removida e dois professores, que não se dão bem, estão trabalhando separados, em virtude da administração da universidade não ter tomado providências", disse um professor ao repórter, desconhecendo o divulgado pelo leitor de O POTI. O mestre adiantou que não se tem notícia de risco de vida para os alunos, funcionários e professores do Departamento de Física Teórica e Experimental da UFRN e que estivesse existindo isso iria requerer gratificação de insalubridade e risco de vida, engordando, assim, seus proventos de professor, disse, sorrindo. O Departamento de Física da UFRN teve uma  expansão com os laboratórios fornecidos pelo Ministério da Ciências e Tecnologia, na gestão do ex-ministro Sérgio Resende (foto), pernambucano e ex-professor do pesquisador Carlos Chessman, que fez mestrado e doutorado na Universidade Federal de Pernambuco/UFPE.
O problema do laboratório considerado destruído foi resultado da omissão administrativa em resolver o conflito pessoal entre Chessman e o profesor Claudomiro, há 5 anos pendente. Uma comissão de inquérito administrativo da UFRN poderá encerrar a sindicância nos próximos dias e encaminhar um relatório para a reitoria.