sábado, 22 de outubro de 2011

Europa lança satélite para implantar o Galileo, concorrente do GPS.

CIÊNCIA

21.10.2011


Lançados primeiros satélites do sistema de navegação europeu Galileo
Um foguete russo Soyuz partiu da base europeia na Guiana Francesa, levando consigo os dois primeiros satélites do sistema de navegação europeu Galileo, um concorrente do norte-americano GPS.

O lançamento do foguete Soyuz com os dois primeiros satélites do sistema de navegação europeu Galileo ocorreu nesta sexta-feira (21/10), às 8h30, horário de Brasília, na base espacial europeia de Kourou, na Guiana Francesa. A operação aconteceria nesta quinta-feira, mas foi cancelada depois que foi detectada uma anomalia durante o abastecimento de combustível do foguete.

A operação, considerada um marco na história espacial europeia, é o primeiro passo para que, em 2014, o sistema de navegação Galileo esteja apto a competir com o sistema de navegação GPS, que é norte-americano.

O projeto, que é da Comissão Europeia e da Agência Espacial Europeia (ESA), prevê a construção de um sistema civil de navegação por satélite com cobertura mundial. Em 2014, ele deverá contar com 18 satélites. Até 2020, será ampliado para 30. Os próximos dois satélites da "constelação" Galileo deverão ser lançados em 2012.
O foguete russo Soyuz ST-B será responsável por colocar os dois primeiros satélites em órbita, a aproximadamente 23.600 quilômetros de altitude. É a primeira vez que este foguete será lançado fora de suas antigas bases soviéticas. Ele voou pela primeira vez em 1966 e era para ter sido usado pela antiga União Soviética para vencer os EUA na corrida espacial à Lua, nos anos 1960.

A participação do Soyuz nesta operação marca também um novo capítulo na cooperação espacial entre a Europa e a Rússia, já que é a primeira vez que o foguete russo é usado pelos europeus.
Autonomia europeia
No final da década, quando estiver plenamente operacional, o Galileo dará autonomia aos europeus em relação ao sistema norte-americano GPS. A Rússia diz ter concluído um sistema semelhante no início deste mês.
O foguete Soyuz foi adaptado para permitir que a empresa europeia de lançamentos Arianespace, que também opera o Ariane-5, leve para a órbita terrestre uma carga de 3,2 toneladas, considerada média.

A Rússia deve receber dezenas de milhões de dólares por cada lançamento, dinheiro que ajudará a financiar suas atividades espaciais. Ao mesmo tempo, a presença dos foguetes russos na base espacial europeia de Kurou ajudará a Arianespace a reduzir custos.
"Estamos no final de um episódio e no início de outro", comentou o executivo-chefe da Arianespace, Jean-Yves Le Gall, em entrevista à Reuters. "O Soyuz vai lançar satélites de tamanho médio, que não poderiam ser lançados pelo Ariane-5, e vai nos permitir lançar com mais frequência da Guiana Francesa, diminuindo os custos para a empresa, já que os custos fixos no local de lançamento na Guiana serão divididos por um maior número de lançamentos", disse Le Gall.
O sistema de navegação Galileo deu os primeiros passos em 1999 e chegou a ficar seriamente ameaçado devido ao fracasso das negociações com o setor privado, em 2007. Os diversos atrasos fizeram disparar o custo total do programa, que já superou os 5 bilhões de euros.

BV/lusa/rtr/dpa

Revisão: Alexandre Schossler
Fonte: DW.
 

quinta-feira, 20 de outubro de 2011


QUINTA-FEIRA, 20 DE OUTUBRO DE 2011

REQUIESCAT IN PACE, OTHONIEL MENEZES !

"Othoniel Menezes - Busto pode ser derretido em praça pública

O busto do poeta Othoniel Menezes doada por seu filho Laélio Ferreira à Secretaria Extraordinária de Cultura para ser chantado no caminho da Fortaleza dos Três Reis Magos ainda dará o que falar. Diante do descumprimento da promessa, o filho do autor de Serenata do Pescador - a nossa Praieira - confirmou que nesta semana irá requerer à Secretaria a devolução da obra, de autoria do escultor Eri Medeiros. A homenagem foi vetada pelo coronel Alemany, comandante do Regimento de Artilharia, que mandou destruir o pedestal parcialmente levantado pela Fundação José Augusto, apesar da autorização do Instituto do Patrimônio Histórico Nacional (Iphan).
Láelio se diz magoado, elenca várias queixas sobre o que chama de "desrespeito à memória cultural do Estado e do Município de Natal" e se queixa do pouco interesse demonstrado pelos órgãos do governo, "que preferiram patrocinar eventos festivos e badalações em praça pública, gastando recursos com comissões a produtores culturais locais e com gente de fora, velhos fregueses de caderneta dessas promoções, durante anos a fio". E continua: "Como se vê, há muito tempo, a ocara de Felipe Camarão só consagra quem vem de fora". Laélio acha que um contato preliminar da secretária extraordinária Isaura Rosado ou mesmo da Governadora Rosalba Ciarlini, com o coronel teria evitado o "vexame para o Rio Grande do Norte".
Láelio aponta ainda a inércia dos "intelectuais potyguares, das academias, dos silogeus", das universidades na cobrança de providências objetivas a quem de direito, na defesa da cultura e da memória histórica. Ressalta que, dos políticos, a única manifestação formal em favor da homenagem a Othoniel Menezes veio de Mossoró, numa iniciativa da deputada Sandra Rosado. Embora sem confirmação oficial, Laélio deixou entender que vai, em local público, ao som da "Praieira", numa serenata, promover uma manifestação de protesto, derretendo a obra do escultor. Para tal, pediria o apoio ou financiaria a participação de performancistas locais. O e-mail de Laélio Ferreira é laelioferreirademelo@gmail.com. (SV)"

Ilustração de Laélio F. de Melo. Sugiro que convoquem os artistas performática de Natal, sem esquecer dos que participaram de festivais de poesia e música na Fortaleza, nos anos oitenta, além de convocarem outros artistas parta montagem um canhão de papelão e um tigre de papel e um grupo de xangô para espantar os maus espíritos e uma tribo de índios para fazerem uma pajelança. Toda essa encenação coreográfica seria bolada pelo dramaturgo Racine Santos e o poeta Carlos Gurgel. Que tal a idéia?

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Romulo Lemos do Nascimento fratura braço de Rhana Umbelino.

Ex-namorada de homem que agrediu jovem em boate de Natal relata violência e ameaça


Aliny Gama

Especial para o UOL Notícias

Em Maceió Câmeras mostram suposta agressão

Estudante que teve braço quebrado ao recusar beijo em boate de Natal deve processar agressor

A divulgação das imagens da agressão do comerciante Rômulo Lemos do Nascimento, 22, à estudante de direito Rhanna Umbelino Diógenes, 19, em uma boate de Natal (RN), na semana passada, terminou em novas denúncias contra o jovem. Segundo a Justiça do Rio Grande do Norte, uma mulher com quem Rômulo tem um filho já ingressou com um processo contra ele no Juizado de Violência Contra a Mulher na comarca de Parnamirim, região metropolitana de Natal, no último mês de agosto.



No processo, ela e o Ministério Público Estadual denunciam Rômulo por agressão. Sob a condição de não ter a identidade revelada, uma ex-namorada do jovem afirmou ao UOL Notícias que também já foi agredida e sofreu ameaças para não denunciar o caso. Com medo, ela terminou retirando a queixa na delegacia da mulher.



A jovem contou que preferiu acabar o namoro e não ter mais nenhum contato com o comerciante, a ter que levar o caso adiante e enfrentá-lo nos tribunais. Segundo ela, logo no início do relacionamento, Rômulo já se mostrou violento em uma discussão. “Em poucos dias minha vida se tornou um inferno. Em uma das vezes, eu apanhei com socos no rosto porque atendi a uma ligação de uma amiga que ele não gostava”, relembra.



Ela afirmou que o rapaz tem diversos inimigos “por gostar de arrumar confusão com todo mundo.” “Os problemas que ele tem, acha que resolve com pancadaria. Para mim, esse caso da agressão a Rhanna não é novidade. Ele bateu também em outras ex-namoradas e na ex-mulher. Depois que acabei o namoro as pessoas vieram contar o que ele já aprontou com outras garotas”, afirmou.



Procurado pela polícia

Policiais da Delegacia Especializada em Defesa da Mulher estão à procura do comerciante. O jovem é acusado de quebrar o antebraço da estudante de direito Rhanna Umbelino Diógenes após a jovem recusar um beijo em uma boate da zona sul de Natal (RN).



Segundo o delegado Francisco Quirino Filho, Rômulo tem “destino incerto e não sabido.” Ele contou que agentes foram entregar a intimação no endereço informado pela Comarca de Parnamirim, onde o jovem responde a um processo por violência doméstica, e foram informados que o jovem não morava mais lá.



“Esta semana vamos novamente entregar a segunda intimação e caso ele não seja localizado iremos informar que ele está desaparecido à Comarca de Parnamirim, que determinou que o rapaz não mudasse de endereço sem informar à Justiça seu paradeiro. Depois disso, se a Justiça determinar, ele poderá ser considerado foragido e ter decretada a prisão preventiva ou algo similar”, informou o delegado.



Quirino Filho disse que o acusado é reincidente em agredir mulheres e que nos registros da Delegacia Especializada em Defesa da Mulher da zona norte, em Natal, existe uma queixa aberta por uma ex-namorada do comerciante.



Sobre a agressão na boate, o delegado informou que a polícia já analisou as imagens que foram cedidas pela casa noturna e disse que não há dúvidas de que Rômulo agrediu a jovem por um motivo fútil. “Ele abordou Rhanna duas vezes. Uma quando ela estava sentada numa cadeira da boate, quando insistiu por um beijo. Depois ele a encontrou na pista de dança e a chamou para dançar. Mas como houve uma negação, ele a segurou a força pelo braço até conseguir golpear pelas pernas. Da forma que ele a agrediu sabemos que ele aplicou um golpe de jiu-jitsu”, disse o delegado.



O caso Rhanna

No último sábado, os médicos retiraram os pontos da cirurgia do braço de Rhanna e informaram que na próxima semana ela deverá iniciar as sessões de fisioterapia para recuperar os movimentos no punho e braço. A estudante ainda deverá passar por uma outra cirurgia reparadora.



A estudante relatou que recebeu inúmeras mensagens de incentivo para continuar a denúncia contra o agressor. Ela contou que no fim de semana, depois que a agressão foi veiculada em sites nacionais, recebeu mais de mil convites de pessoas solidárias a causa no seu perfil no Facebook. Para ela, o “retorno da sociedade indignada com o caso já faz parte da Justiça que deverá ser feita para punir o agressor”.



O UOL Notícias entrou em contato, no final da manhã desta segunda-feira (17), com o advogado de Nascimento, Durvaldo Varandas, para que ele comentasse as acusações, mas ele pediu que retornasse a ligação após meia hora. A reportagem tentou por diversas vezes falar novamente com o advogado, mas ele não atendeu nem retornou as ligações