quinta-feira, 5 de abril de 2012

Como Jesus pregou o perdão, deixo aqui meu texto de Páscoa, enaltecendo os políticos boa praça.


O POLÍTICO BOA PRAÇA
 
Por Flávio Rezende*
 
            Em determinados momentos históricos a sociedade elege algum bode expiatório e todo mundo pega carona no embalo passando a bater pesado no alvo em voga.
            Os cristãos, antes de Constantino pagaram essa matéria, comendo o pão que o diabo amassou e sofrendo humilhações e perseguições diversas. Podemos lembrar ainda nos Estados Unidos os negros e os comunistas, os muçulmanos na Índia e os escravos no Brasil.
            Hoje quem está sendo escorraçado por aqui são os políticos. Não tenho a intenção de analisar se eles merecem ou não. O fato é que todas as mazelas da nação estão sendo creditadas a esta classe que tem representatividade em todos os níveis.
            Preste atenção nos restaurantes, shows, praias, aviões, solenidades, universidades e, perceba que é raro um político ser naturalmente ovacionado pelas pessoas. O que acontece mesmo é o comentário negativo, a vaia eufórica e o olhar condenatório.
            Apesar dessa constatação, vejo um lado bom nos políticos. Eles prestigiam as pessoas em suas promoções e, isso, tenha certeza, é muito importante. Quem não gosta de ver pessoas prestigiando a formatura do filho, o batizado, o aniversário, o lançamento do próprio livro, a inauguração da clínica ou atendendo convite para um almoço fraterno?
            Tenho feito muitas ações em torno da Casa do Bem e algumas pessoais e sempre convido meus muitos amigos e amigas. Na verdade poucos prestigiam as coisas que faço, mas, os políticos estão sempre lá. Neste momento não me interessa se eles vão pensando em algo, o que vale é que eles estão presentes e eu fico feliz por ter sido prestigiado.
            Então não vejo só negatividade em torno dos políticos. Eles também são boa praça. Sorridentes, gentis, prestigiam as pessoas em suas promoções pessoais e, muitos, realmente trabalham em prol do coletivo.
            Para os que andam agindo egoisticamente, lembramos aquela lei muito aceita na Índia, a do carma ou karma. No Wikipédia karma vem do sânscrito e é “um termo de uso religioso dentro das doutrinas budista, hinduísta e jainista, adotado posteriormente também pela Teosofia, pelo espiritismo e por um subgrupo significativo do movimento New Age, para expressar um conjunto de ações dos homens e suas consequências. Este termo, na física, é equivalente a lei: "Para toda ação existe uma reação de força equivalente em sentido contrário". Neste caso, para toda ação tomada pelo Homem ele pode esperar uma reação. Se praticou o mal então receberá de volta um mal em intensidade equivalente ao mal causado. Se praticou o bem então receberá de volta um bem em intensidade equivalente ao bem causado. Dependendo da doutrina e dos dogmas da religião discutida, este termo pode parecer diferente, porém sua essência sempre foca as ações e suas consequências”.
            Aos políticos do bem, então, as boas ações terão boas reações. Os demais...


* É escritor, jornalista e ativista social em Natal/RN (escritorflaviorezende@gmail.com)

Nenhum comentário:

Postar um comentário