quinta-feira, 12 de abril de 2012

Dizem que estão matando os viciados em craque. Aonde?


Ministério Público aponta “tráfico de drogas” como principal responsavel pela violência em Parelhas

2364Promotora preocupada com tráfico de drogas em Parelhas
O problema da violência em Parelhas está relacionado com o tráfico de drogas”, a declaração foi da promotora de Justiça Polireda Madaly Bezerra, que, além de atuar em Jardim do Seridó, responde interinamente, pelas comarcas de Parelhas, Equador e Santana do Seridó.

O acúmulo das funções é motivado pelas férias dos promotores titulares. Recentemente, a promotora participou do movimento denominado “Tolerância Zero”, que discutiu medidas para o combate da violência no município. No entanto, as medidas para o combate ainda não surtiram efeito. “Os processos com os quais eu tive contato são relacionados ao tráfico. Alguém rouba uma pessoa para conseguir dinheiro e comprar crack; o filho bate na mãe por que pediu dinheiro e ela não deu; fulano foi assassinado, pois estava devendo ao traficante; enfim a maioria dos crimes é originada ou então muito ligada a ele”, disse Polireda.
Para ela, os estudos ligados ao direito penal e a criminologia apontam que a repressão não é o viés mais seguro para que se combata o crime. “A repressão não acaba com o crime. Controla, desestimula, mas não é a única coisa. É preciso que em uma sociedade, como a de Parelhas, existam órgãos que atuem na prevenção. A Polícia, o Ministério Público até trabalham com prevenção, mas precisa que seja feito ainda mais”, destacou a Promotora.

O trabalho preventivo deve ser realizado com clínicas ou órgãos que possam tratar os dependentes químicos, evitando assim, que viciados e adolescentes entrem ou permaneçam no mundo do tráfego. “A punição, logicamente, deve acontecer, mas nunca será o suficiente para resolver esse tipo de problema. Se não houver uma organização por parte do Estado para que haja uma prestação de serviço preventivo, o problema vai continuar sem ser resolvido. Não é simples, com resultados rápidos, mas é preciso que seja iniciado”, completou a Promotora.
------------
Os parelhenses que moram em Natal estão preocupadíssimos com a situação na sua terra natal. Um deles, me enviou esse texto. Outro problema grave é a sêca. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário