sexta-feira, 13 de julho de 2012

O perigoso mundo dos jornalistas genéricos

Por Flávio Rezende*
Escritorflaviorezende@gmail.com
A área jornalística sempre foi terreno propício à invasão de pessoas que se julgam aptas ao exercício da profissão e, agora, com o fim da obrigatoriedade do diploma, virou a casa de mãe Joana, com figuras que se julgam jornalistas, pelo simples fato de terem blogs dos mais diversos assuntos, portando carteiras próprias e comparecendo a tudo que é evento, seja ele social, esportivo, político ou até mesmo um batizado qualquer por ai.
Está difícil para as assessorias de imprensa dos mais diversos campos lidar com tanta gente querendo credencial para adentrar nos eventos em geral. Se o assessor afirmar que só entra quem a empresa que ele representa tem interesse, vai ser um caos, cabendo até processo de bullying. Se credenciar todo mundo, corre o risco de passar vergonha com tanta gente falando errado e escrevendo menos ainda, interessada só e somente só em ser ele mesmo, a notícia.
Sim, pois agora temos muitos que aparecem mais que as notícias. Em fotos que vemos em sites e blogues, os autores aparecem tanto que os aniversariantes, os noivos ou os políticos são meros detalhes.
Além de estarmos presenciando um tempo onde os jornalistas aparecem mais que os entrevistados ou os fatos noticiados, tem um monte ai se arvorando a ser formador de opinião. Espalha pelos quatro cantos da cidade que seus textos influenciam as pessoas, induzem ao consumo disso e daquilo e levam multidões a restaurantes indicados.
O caminho do jornalismo genérico está aberto e a fortuna acena para muitos devido a própria futilidade de toda a sociedade, louca para sair numa coluna. Os novos e os velhos ricos, precisando aparecer para os amigos e familiares como pessoas importantes, conduzem os genéricos jornalistas e/ou colunistas e/ou blogueiros e/ou seja lá que nome possamos dar, para um mundo de vinhos, degustações, viagens, hospedagens, tendo casos de apartamentos doados, carros transferidos, contas bancárias regadas mensalmente e, até a combinação ipsis litteris do que deve ser publicado.
O bom jornalismo ensina em todo canto que o jornalista, o repórter, editor, apresentador, deve interferir o mínimo possível na informação, sendo por isso vedado o uso de paletó numa beira de praia, pois, sendo isso fora do comum, o telespectador ou leitor desviaria a atenção do que realmente importa, para o fato do jornalista estar vestido de maneira inadequada num calor danado. Isso se chama ruído na comunicação.
Hoje em dia, o ruído virou regra e, o que vale, é o camarada aparecer a todo custo.
Nenhum comentário

Nenhum comentário:

Postar um comentário