sábado, 11 de fevereiro de 2012

O quarto artigo de Paulo Tarcísio.


As diversas formas de medicina (4) – Flores de Bach
                A medicina floral foi criada no início do século XX, na Inglaterra, pelo médico que nomeia hoje em dia tal terapia. Como era de se esperar, as medicações florais são produzidas a partir de flores, particularmente flores britânicas, atuando , primariamente, no campo emocional e mental do ser humano.
                A partir dos estudos de Albert Einstein (E=mc²), a ciência moderna descobriu que tudo é energia; até matéria é energia, porém localizada numa faixa de freqüência de vibração que consegue interagir com nossos sentidos. Nossa mente e nossas emoções não seriam diferentes: tem suas faixas de freqüência, tem suas faixas de vibração específicas e variadas.
                A medicina floral entra no hall das medicinas energéticas: visa interagir com os corpos emocional e mental do ser humano, alterando a faixa de freqüência em que estão vibrando.
É como se eu quisesse mudar a freqüência de um rádio: ao mudar a freqüência, muda-se o tipo de música que a rádio toca.
Os doentes, para a medicina de Bach, são divididos em 7 grupo: Medo, Indecisão, Falta de Interesse no Presente, Solidão, Influência, Desespero e Controladores. Há, ao todo, 38 medicações que podem ser combinadas das maneiras mais variadas possíveis, de acordo com a particularidade de cada paciente.
Se por exemplo, passei por um trauma muito recente, como um acidente ou a morte de um ente querido, os florais podem acelerar o processo de superação, de maneira que a vida possa voltar ao seu ritmo normal o mais rápido e menos doloroso possível.
Se tenho problemas para lidar com a solidão, ou se tenho uma marcante falta de interesse pelo presente, as terapias florais também podem me cair muito bem.
                Tais medicações não são, no entanto, uma panacéia que resolverá todos os nossos problemas emocionais, mas sim trabalham como catalisadores que aceleram aquelas batalhas que já travamos, por iniciativa própria, em nosso mundo interior.
                Falo como usuário das flores de Bach: é fantástico seu efeito psíquico. Os pitagóricos costumavam dizer que não devemos acreditar em nada que não compreendemos, porém nunca rejeite prontamente nada por não compreender. Surpreenda-se.

Paulo Tarcísio Neto
Medicina UFRN

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Lixo alimentar causa câncer.

Recebidas de um médico gastroenterologista...
A Causa Primária do Câncer:
Em 1931 um cientista recebeu o prêmio Nobel por descobrir a CAUSA PRIMÁRIA DO CÂNCER?

Se a causa foi descoberta por que ainda não descobriram a cura? Vamos saber agora!

Foi este senhor:
Otto Heinrich Warburg (1883-1970).
Prêmio Nobel em 1931 por sua tese "A causa primária e a prevenção do câncer"

Segundo este cientista, o câncer é a consequência de uma alimentação antifisiológica e um estilo de vida antifisiológico.

Por que?... porque uma alimentação antifisiológica - dieta baseada em alimentos acidificantes + sedentarismo, cria em nosso organismo um ambiente de ACIDEZ.

A ACIDEZ por sua vez, EXPULSA o OXIGÊNIO das células!!!

Ele afirmou: "A falta de oxigênio e a acidez são as duas caras de uma mesma moeda: quando você tem um, você tem o outro."

Ou seja, se você tem excesso de acidez, então automaticamente falta oxigênio em seu organismo!
Outra afirmação interessante: "As substâncias ácidas repelem o oxigênio; em oposto, as substâncias alcalinas atraem o oxigênio."
Ou seja, um ambiente ácido, sim ou sim, é um ambiente sem oxigênio.
E ele afirmava que: "Privar uma célula de 35% de seu oxigênio durante 48 horas, pode convertê-la em cancerígena."

Ainda segundo Warburg: "Todas as células normais tem como requisito absoluto o oxigênio, porém as células cancerosas podem viver sem oxigênio - uma regra sem exceção."
E também: "Os tecidos cancerosos são tecidos ácidos, enquanto que os saudáveis são tecidos alcalinos."
Em sua obra "O metabolismo dos tumores", Warburg demonstrou que todas as formas de câncer se caracterizamn por duas condições básicas: a acidose (acidez do sangue) e a hipoxia (falta de oxigênio). Também descobriu que as células cancerosas são anaeróbias (não respiram oxigênio) e NÃO PODEM sobreviver na presença de altos níveis de oxigênio; em troca, sobrevivem graças a GLICOSE, sempre que o ambiente está livre de oxigênio... Portanto, o câncer não seria nada mais que um mecanismo de defesa que tem certas células do organismo para continuar com vida em um ambiente ácido e carente de oxigênio.
Resumindo:
Células sadias vivem em um ambiente alcalino e oxigenado, o qual permite seu normal funcionamento:

Células cancerosas vivem em um ambiente extremamente ácido e carente de oxigênio:

IMPORTANTE:
Uma vez finalizado o processo da digestão, os alimentos de acordo com a qualidade de proteína, hidrato de carbono, gordura, minerais e vitaminas que fornecem, gerarão uma condição de acidez ou alcalinidade no organismo. Ou seja, depende unicamente do que você come!

O resultado acidificante ou alcalinizante se mede através de uma escala chamada PH, cujos valores se encontram em um nível de 0 a 14, sendo PH 7, um PH neutro.

É importante saber como os alimentos ácidos e alcalinos afetam a saúde, já que para que as células funcionem de forma correta e adequada, seu PH deve ser ligeiramente alcalino. Em uma pessoa saudável,
o PH do sangue se encontra entre 7,40 e 7,45. Leve em conta que se o ph sanguíneo caísse abaixo de 7, entraríamos em estado de coma, próximo a morte.

Então, o que temos a ver com tudo isto? Vamos ao que interessa!!

Alimentos que acidifican o organismo:

# Açúcar refinado e todos os seus subprodutos - o pior de tudo: não tem proteínas, nem gorduras, nem minerais, nem vitaminas, só hidrato de carbono refinado, que pressiona o pancreas. Seu PH é 2.1 ou seja, altamente acidificante
# Carnes - todas
# Leite de vaca e todos os seus derivados - queijos, requeijão, iogurtes, etc.
# Sal refinado
# Farinha refinada e todos os seus derivados - massas, bolos, biscoitos, etc.
# Produtos de padaria - a maioria contém gordura sagurada, margarina, sal, açúcar e conservantes
# Margarinas
# Refrigerantes
# Cafeína - café, chás pretos, chocolate
# Álcool
# Tabaco
# Remédios, antibióticos
# Qualquer alimento cozido - o cozimento elimina o oxigênio e o trasforma em ácido - inclusive as verduras cozidas.
# Tudo que contenha conservantes, corantes, aromatizantes, estabilizantes, etc. Enfim: todos os alimentos enlatados e industrializados. Constantemente o sangue se encontra autorregulando-se para não cair em acidez metabólica, desta forma garantindo o bom funcionamento celular, otimizando o metabolismo. O organismo DEVERIA obter dos alimentos, as bases (minerais) para neutralizar a acidez do sangue na metabolização, porém todos os alimentos já citados, contribuem muito pouco, e em contrapartida, desmineralizam o organismo (sobretudo os refinados). Há que se levar em conta que no estilo de vida moderno, estes alimentos são consumidos pelo menos 3 vezes por dia, os 365 dias do ano!!! Curiosamente, todos estes alimentos citados, são ANTIFISIOLÓGICOS!!...Nosso organismo não foi projetado para digerir toda essa porcaria!!!

Alimentos
Alcalinizantes:

# Todas as verduras cruas (algumas são ácidas ao paladar, porém dentro do organismo tem reação alcalinizante, outras são levemente acidificantes porém trazem consigo as bases necessárias para seu correto equilíbrio); cruas produzem oxigênio, cozidas não.
# Frutas, igualmente as verduras. Por exemplo: o limão tem um PH aproximado de 2.2, porém dentro do organismo tem um efeito altamente alcalinizante (quem sabe o mais poderoso de todos).
Não se deixe enganar pelo seu gosto ácido, ok?
As frutas produzem quantidades saudáveis de oxigênio!
# Sementes
: além de todos os seus benefícios, são altamente alcalinizantes, como por exemplo as amêndoas.
#
Cereais integrais: O único cereal integral alcalinizante é o milho, todos os demais são ligeiramente acidificantes, porém muito saudáveis!.. Lembre-se que nossa alimentação ideal necessita de uma porcentagem de acidez (saudável). Todos os cereais devem ser consumidos cozidos.
# O mel é altamente alcalinizante.
# A clorofila das plantas (de qualquer planta)
? ?é altamente alcalinizante (sobretudo a aloe vera, mais conhecida como babosa).
# Á água é importantíssima para a produção de oxigênio. "A desidratação crônica é o estressante principal do corpo e a raiz da maior parte de todas as enfermidades degenerativas", afirma o Dr. Feydoon Batmanghelidj.#O exercício oxigena todo teu organismo, o sedentarismo o desgasta. Não é preciso dizer mais nada, não é?


O Doutor George w. Crile, de Cleverand, um dos cirurgiões mais importantes do mundo declara abertamente:
?Todas as mortes mal chamadas "naturais", não são mais que o ponto terminal de uma saturação de ácidos no organismo.?
Como dito anteriormente, é totalmente impossível que um câncer prolifere em uma pessoa que libera seu corpo da acidez, nutrindo-se com alimentos que produzam reações metabólicas alcalinas e aumentando o consumo de água pura; e que por sua vez, evita os alimentos que produzem acidez, e se abstém de elementos tóxicos. Em geral o câncer não se contrai nem se herda? o que se herda são os costumes alimentícios, ambientais e o estilo de vida. Isto sim é que produz o câncer.


Mencken escreveu:

?A luta da vida é contra a retenção de ácido?.
"O envelhecimento, a falta de energia, o stress, as dores de cabeça, enfermidades do coração, alergias, eczemas, urticária, asma, cálculos renais e arterioscleroses entre outros, não são nada mais que a acumulação de ácidos."

O Dr. Theodore A. Baroody disse em seu livro ?Alkalize or Die? (Alcalinizar ou Morrer):
"Na realidade não importa o sem-número de nomes de enfermidades. O que importa sim é que todas elas provém da mesma causa básica: muito lixo ácido no corpo!?

O Dr. Robert O. Young disse:
"O excesso de acidificação no organismo é a causa de todas as enfermidades degenerativas. Quando se rompe o equilíbrio e o organismo começa a produzir e armazenar mais acidez e lixo tóxico do que pode eliminar, então se manifestam diversas doenças."


E a Quimioterapia?
Não vou entrar em detalhes, somente me limito a enfatizar o óbvio: a quimioterapia acidifica o organismo a tal extremo, que este recorre às reservas alcalinas do corpo de forma inmediata para neutralizar tanta acidez, sacrificando assim bases minerais (Cálcio, Magnésio, Potássio) depositadas nos ossos, dentes, articulações, unhas e cabelos. É por esse motivo que se observa semelhante degradação nas pessoas que recebem este tratamento, e entre tantas outras coisas, se lhes cai a g rande velocidade o cabelo. Para o organismo não significa nada ficar sem cabelo, porém um PH ácido significaria a morte.

Eis a resposta do começo do email: >>> É necessário dizer que isto não é divulgado porque a indústria do câncer (leia-se indústria alimentícia + indústria farmacêutica) e a quimioterapia são alguns dos negócios mais multimilionários que existem hoje em dia ??

É necessário dizer que a indústria farmacêutica e a indústria alimentícia são uma só entidade??
nota: Você se dá conta do que significa isto?

Quanto mais gente doente, mais a indústria farmacêutica no mundo vai lucrar! E pra fabricar tanta gente doente, é necessário muito alimento lixo, como a indústria alimentícia tem produzido hoje no mundo, ou seja, um produz pra dar lucro ao outro e vice-versa, é uma corrente. Esta é uma equação bem fácil de entender, não é?

Quantos de nós temos escutado a notícia de alguém que tem câncer e sempre alguém diz: "É.... poderia acontecer com qualquer um..." Com qualquer um ???
Agora que você já sabe, o que você vai fazer a respeito?




terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Diário de um cearense na Suíça.



Diário de um Cearense na Suíça.


12 Agosto - Hoje me mudei para minha nova casa na Suíça. Um chalé porreta
nos Alpes. Que paz! Tudo aqui é tão bonito e silencioso. Os Alpes são tão
majestosos. Quase que não posso esperar para vê-los cobertos de neve. Que
bom haver deixado para trás o calor, a umidade, o tráfego, a violência, a
poluição e aqueles brasileiros mal educados.
Isto sim é que é vida!

14 Outubro - A Suíça é o lugar mais bonito que já vi em minha vida. As
folhas passaram por todos os tons de cor entre o vermelho e o amarelo.
Que bom ter as quatro estações. Saímos a passear pelos bosques e, pela
primeira vez, vi um cervo. São tão ágeis, tão elegantes, é um dos animais
mais vistosos que jamais vi.
Suíça é mesmo um paraíso!


E pensar que sofri tanto tempo naquele inferno que é o Ceará...

11 Novembro - Logo começará a temporada de caça aos cervos. Não posso
imaginar como alguém pode matar uma dessas criaturas de Deus. Está
esfriando e praticamente já chegou o inverno. Espero que neve logo.
Isto sim é que é vida!

2 Dezembro - Ontem à noite nevou. Que alegria! Despertei e encontrei tudo
coberto de uma camada branca. Parece um cartão postal... Estava tão
contente que rolei nela e logo tive uma batalha de bolas de neve com os
vizinhos (eu ganhei). Que bonita a neve! Parecem bolas de algodão
espalhadas por todos os lados.
Que lugar bonito! Suíça, isto sim é que é vida.

12 Dezembro - Ontem à noite voltou a nevar. Que encanto! Saí novamente
para tirar a neve dos degraus e a passar a pá na entrada e, quando a
niveladora de neve passou na rua, tive que voltar a passar a pá para tirar
a neve...

19 Dezembro - Ontem voltou a nevar. Saí de casa para tirar a neve e a
niveladora voltou a sujar a entrada, mas bom... que vamos fazer?
De toda maneira, são os ossos do ofício de quem mora num cartão postal.

22 Dezembro - Ontem à noite nevou muito, outra vez. Não pude limpar a
entrada por completo porque, antes que acabasse, já havia passado a
niveladora; assim, hoje, não pude ir ao trabalho. Estou um pouco cansado
de passar a pá nessa neve. Droga de niveladora!
Mas, que vida!? Isso não acaba não?

25 Dezembro - Feliz Natal ... Aqui não para de cair estes flocos brancos.
Já tenho as mãos cheias de calos por causa da pá. Creio que a niveladora
me vigia da esquina e espera que eu acabe de tirar a neve com a pá, para
então passar. Vá para os quintos do inferno!
Se pego o miserável que dirige essa niveladora, juro que o mato.

27 Dezembro - Ontem à noite caiu mais dessa coisa branca. Já são três dias
direto que não saio. Não faço mais nada , senão passar a pá nessa porcaria
de neve, depois que passa a niveladora. Não posso ir a lugar algum.
O carro está enterrado debaixo de uma montanha branca. Não entendo porque
não usam mais sal nas ruas, para que se derreta mais rápido todo esse
gelo.
O noticiário disse que esta noite vai cair mais 20 centímetros desta
porcaria.
Não acredito, não! Pense !

31 Dezembro - O idiota do noticiário se equivocou outra vez. Não foram 20
centímetros de neve... caiu quase 1 metro dessa m..! Ninguém pôde sair
para comemorar o ano novo. Agora, resulta que a niveladora quebrou perto
daqui, e o imbecil do motorista veio me pedir uma pá emprestada.
Ah, macho descarado! Disse a ele que já tinha quebrado 6 pás limpando a
merda que ele me havia deixado diariamente. Quase quebrei a pá na cabeça
dele.
Arre Éééguaaa, tô lascado!

4 Janeiro - Ao fim, hoje consegui sair de casa para ir ao supermercado No
caminho, fui desviar de um cervo que se meteu na frente do carro, e bati
numa árvore. Ferrou! O conserto do carro vai me sair por uns três mil
francos suíços.
Esses veados deviam ser envenenados. Antes os caçadores tivessem acabado
com essa raça ano passado.
A temporada de caça deveria durar o ano inteiro!

15 Março - Escorreguei no gelo que ainda há neste lugar e quebrei uma
perna.O que estou fazendo aqui?
Ontem à noite sonhei estar em Canoa Quebrada, no Mucuripe vendo as
jangadas, Praia do Futuro etc etc, tomando uma cerva gelada debaixo
daquele sol, me refrescando na brisa e mergulhando no mar, ao som de um
forró bem tocado.
Quero vender esta casa para sair já daqui!

22 Abril - Quando me tiraram o gesso, levei o carro ao mecânico. Ele disse
que o conserto ia ficar o dobro, pois o assoalho estava todo enferrujado,
culpa do sal que jogaram nas ruas para derreter a neve.
Será que esses desabestados não têm outra forma de derreter o gelo?

3 Maio - Hoje consegui vender a casa para um corno suíço. Graças a Deus
poderei sair deste fim de mundo frio e solitário. Amanhã volto para o meu
Ceará. Muito calor, tráfego, poluição, comer sarapatel, mas acima de tudo
vou ver o sol,coqueiros ,calango passando pelos meus pés, terra de gente
boa e hospitaleira.
Aquilo sim é que é vida!
Graças a Padrinho Cícero estou de volta!Nem acredito!

TE AMO, FORTALEZA!


Ioris Ramalho Cortez
Professor da UFRN - APOSENTADO
Diretor Financeiro da UNICOOPESRN
Voluntário do HATMO - Humanização e Apoio ao
Transplantado de Medula Óssea do RN

O conturbado mundo árabe e o novo colonialismo.

2011, UM ANO HISTÓRICO
José Brendan Macdonald - Prof. da UFPA. 
No dia 17 de dezembro de 2010 um jovem tunisiano, graduado de uma faculdade mas obrigado a ser vendedor ambulante para sobreviver, foi maltratado e humilhado pela polícia.  Conscientemente ou não, lembrando um gesto praticado por bonzos vietnamitas em protesto contra a ocupação de seu país por tropas norte-americanas quatro décadas antes, o jovem tocou fogo no seu próprio corpo, se auto-imolou. 
Por que esse gesto comoveu toda a Tunísia e todo o mundo árabe e incendiou a este, o que acontece até os dias que correm?  Ora, no mundo árabe e, pensando bem, no mundo inteiro o desemprego vem aumentando assustadoramente, especialmente para os jovens que mal têm como entrar no mercado de trabalho.  Ademais em muitos países pobres os preços dos alimentos vêm aumentando para além da capacidade de o povo pagar.  Muitos jovens árabes, europeus e norte-americanos além de jovens de outros países vêm esperando trabalho há anos sem ter como se empregar. 
Tudo isso foi propicio para iniciar a “primavera árabe.”  A democracia, mesmo essa bem limitada democracia burguesa ou democracia liberal como ela própria se auto-denomina, não tem prevalecido no mundo árabe.  Por esse e outros motivos os árabes são tidos como atrasados no Ocidente quando na realidade se trata de um conglomerado de ditaduras e monarquias absolutistas patrocinados pelo próprio Ocidente há décadas.  Graças à unidade lingüística do mundo árabe do Marrocos até o Iraque e também à internet, todo o mundo árabe ficou incendiado de revolta.  Revolta contra os altos preços dos alimentos, revolta contra o desemprego, revolta contra o autoritarismo.  Alguns ditadores caem mas o vazio é preenchido por outros partidários do status quo.  Isto é notório no caso do Egito, país de 80 milhões de habitantes.  O ditador Mubarak perdeu o poder.  Mas uma junta militar, cria dele e com fortes vínculos interesseiros com empresas multinacionais, assumiu o poder.  A junta já incentivou veladamente discórdia entre ativistas muçulmanos (nem todos religiosos) e a minoria cristã copta.  Mas os jovens ativistas insistem que tanto cristãos como muçulmanos são todos egípcios.  A Praça Tahrir no Cairo com freqüência é ocupada por dezenas de milhares de manifestantes.  Recentemente a polícia usou um novo gás venenoso importado dos Estados Unidos e o lançaram contra muitos militantes.  E jogou os corpos de muitas vitimas fatais na beira da Praça.  Mas a luta continua.
Graças à internet pruridos de exigências evidenciados pela juventude árabe alcançou os jovens da Espanha.  Em Madri, Barcelona e outras cidades ganha corpo um novo movimento.  Ele se auto-denomina de Indignados.  Na Inglaterra a juventude nos bairros pobres, discriminada pela polícia às vezes até com brutalidade, também se revolta.  Sabem que estão condenados a crescer sem nunca conquistar um emprego no meio de governos que fazem cortes na parte social do orçamento do país. 
Finalmente no coração do Império começa o movimento Occupy Wall Street.  De novo são de longe majoritariamente jovens.  Com as mesmas preocupações.  Inúmeros dentre eles observam, à semelhança de seus pares de outros países, que a “democracia” que conhecemos não favorece os verdadeiros anseios e necessidades do povo. 
O movimento do Occupy já alcançou mais de mil cidades nos Estados Unidos de acordo com seus organizadores.  Mesmo que a cifra seja exagerada, certamente há um número elevado de participantes.  Recentemente em Bruxelas, capital da União Européia, jovens manifestantes belgas, franceses, espanhóis e de outras nacionalidades européias recentemente organizaram passeatas.
E nosso país no meio de tudo isso?  Em São Paulo houve o Ocupa Sampa, movimento que se reúne nos baixos do Viaduto do Chá.  Há aulas públicas e outras atividades e circula uma media de 400 pessoas por dia. É um começo.  O movimento foi consagrado no dia 15 de outubro lá e em tantas outras praças do mundo.
Na Espanha, nos Estados Unidos e alhures a coisa sugere a presença de anarquistas.  Os anarquistas sempre ficaram arredios a partidos políticos.  Os anarquistas fizeram a Comuna de Paris em 1871.  E lutaram contra o status quo na Rússia e na Espanha décadas depois.  Mas não se trata só de manifestantes anarquistas.  Trata-se de jovens que percebem que com o atual sistema não há futuro à vista.  Em cada país não há um movimento nitidamente costurado, isto é, não há lideranças claras.  Esse tipo de ativismo vem se formando espontaneamente como respostas a anseios tão evidentes.  Sente-se instintivamente a necessidade de garantir uma organização.  Assuntos como a montagem de lugares para dormir para gente que vem de mais longe e usa sacos de dormir, o fornecimento que cada um ou cada grupo faz de comida, etc. são todos resolvidos, até mesmo não raro com apoio de boa parte do público que não ocupa as praças mas que quer ajudar materialmente. 
Ainda não há reivindicações claras, não há um programa ou projeto maior.  Em razão da complexidade da atual conjuntura, é natural que isso ocorra inicialmente.  Mas só expor o que não se quer é muito significativo.  Não se quer capitalismo.  Isto é muito claro.  A construção da alternativa terá que vir com o tempo, amadurecer. 
Nos Estados Unidos e na Europa Ocidental, regiões duramente golpeados pela pior crise do sistema capitalista, que começou em 2008 e vai durar muito, o movimento de ocupação das praças está menos intenso agora com o inverno.  Na primavera tudo recomeçará. 
É provável que a crise do capitalismo encetada em 2008 seja a última.  Há meio século a taxa de lucro vem decrescendo dramaticamente  como aliás Karl Marx tinha previsto.  O capital virtual, que era apenas 10% do capital de todo o planeta em 1970, agora gira em torno de 97 ou 98% de todo ele.  Mesmo que o sistema esteja apenas a décadas do seu final – historicamente muito perto dele portanto – ele continuará devorando milhões de inocentes até seu último suspiro.  Será importante que o vazio deixado um dia pelo capitalismo não seja preenchido por um novo sistema opressor.  Para que a luta valha a pena será preciso construir uma civilização igualitária. 
Há vários fatores a favor dessa luta popular.  Como notou uma observadora norte-americana, à diferença do que ocorria com os protestos paralelos ocorridos em contraste com as reuniões dos G-20, G-8 e similares, as novas manifestações surgidas no histórico ano 2011 podem ocorrer com maior freqüência porque já não ocorrem como contraponto a reuniões marcadas pelos governos das maiores economias capitalistas do mundo de hoje.  Um segundo fator positivo é que sempre há um maciço apoio por populares não diretamente envolvidos nas manifestações, o que fica evidente graças ao fornecimento de alimentos para os manifestantes além de expressões de opiniões de apoio freqüentes.  Uma pesquisa pouco tempo atrás por exemplo constatou que 46% dos norte-americanos acham que o pessoal do movimento Occupy têm o direito de fazer suas manifestações e uma proporção menor acha o contrário.  E nos países ao longo do tempo quando há ocupações de fábricas pelos trabalhadores, a população da redondeza e além tende a defender os trabalhadores revoltados.  Há cerca de 10 anos atrás aqui no Brasil mais de 50% dos entrevistados para uma pesquisa disseram-se favoráveis à ocupação de latifúndios improdutivos por camponeses dispostos a plantar neles.  E tudo isso apesar da orientação dos “formadores de opinião” da grande mídia no sentido contrário. 
Mas deve persistir a pergunta: como enfrentar pacificamente uma policia muitas vezes hostil ou até brutal?  Como enfrentar uma legislação restritiva cuja finalidade é promover os interesses da megaburguesia, especialmente os dos banqueiros, e não os interesses do povo?  Como enfrentar a mídia?  Este último problema está sendo enfrentado com certo grau de êxito como sugerimos há poucas linhas atrás.  Enfim, enfrentar a megaburguesia que tem fortíssimos meios para defender seus interesses é um desafio com solução difícil.  Será necessário que haja uma pressão popular enorme frente aos parlamentos.  Enquanto houver opressão haverá revolta. 
A história – pretérita e presente – é cruel.  O desafio é derrotar a barbárie.  Não se trata de construir outro mundo sem imperfeições.  A condição humana nos ensina que não pode haver uma sociedade perfeita, sem problemas.  Mas isso não impede a intenção de montar uma civilização que iniba sobremaneira a injustiça.  Por novos mecanismos será possível chegar até lá. 
E a histórica revolta de todo o ano 2011 em todos os continentes sugere que começa um processo de transição a nível planetário.  Pois sem uma transição para esse “outro mundo [que] é possível” a ameaçadora crise do meio ambiente e o caos financeiro não serão contornados. 

José Brendan Macdonald – jobremac@gmail.com – João Pessoa, PB, Brasil