sábado, 21 de abril de 2012

O ácido fólico na prevenção de más-formações fetais

O foco das discussões durante a última semana esteve voltado para a
realização do aborto terapêutico no caso de fetos anencéfalos, uma
anomalia completamente incompatível com a vida na qual o concepto se
desenvolve sem a caixa craniana ou sem a maior parte do encéfalo. Essa
semana gostaria de lançar um olhar diferenciado não sobre a
má-formação congênita, mas sobre sua prevenção.
Toda mulher que deseja engravidar deve buscar um médico antes que isso
aconteça, pois com uma antecedência mínima de 3 meses ela deve iniciar
o consumo de ácido fólico. Trata-se de uma vitamina do complexo B,
hidrossolúvel e presente em alimentos como gema de ovo, fígado e
espinafre. Sua ingesta em doses adequadas é fundamental para o bom
desenvolvimento do Sistema Nervoso do feto.
Iniciar o consumo de vitaminas após o diagnóstico de gravidez tem uma
eficácia consideravelmente menor. A formação do tubo neural – o
Sistema Nervoso primitivo - ocorre entre a 3ª e a 4ª semana de
concepção. Quando a mãe percebe o atraso menstrual, o processo já
aconteceu. Dentre as patologias prevenidas através do consumo precoce
de ácido fólico, cita-se a anencefalia, a Síndrome de Down, a espinha
bífida, a meningomielocele, lábio leporino, má-formação cardíaca
dentre outras. Os defeitos do tubo neural ocorrem em cerca de 16 em
cada 10 mil nascidos vivos. O problema, no entanto, é que mais da
metade das gestações não são planejadas – entre as jovens, esse número
chega a 95% e entre as mulheres acima de 40 anos, 75%.
Esse ano completa-se 30 anos da obrigatoriedade da inclusão do iodo no
sal de cozinha. Com isso, diversas patologias tireoidianas são
prevenidas, dentre elas o cretinismo e o famoso bócio endêmico – o
crescimento excessivo da tireóide formando uma “bolota” ao redor do
pescoço. Essa foi uma grande vitória da saúde pública brasileira. O
mesmo a ANVISA vem tentando fazer com o ácido fólico. Desde 2004 é
obrigatória a fortificação das farinhas de milho e de trigo com ácido
fólico e ferro, garantindo com isso um suprimento básico para as
populações de baixa renda que, geralmente, não tem acesso médico
adequado, nem muito menos realizam planejamento familiar.
O cumprimento verídico de tal Lei traria benefícios tão grandes à
população brasileira quanto a inclusão do Iodo no sal. Uma medida de
baixíssimo custo e de amplitude considerável, dado o grande consumo de
farinha pela nossa população. Nos Estados Unidos, desde a
obrigatoriedade da fortificação dos alimentos feitos de grãos com
ácido fólico, a incidência defeitos do tubo neural reduziu-se em 25%.
Façamos o mesmo no Brasil.

Paulo Tarcísio Neto
Medicina UFRN
paulo_tarcísio@hotmail.com

sexta-feira, 20 de abril de 2012

Peluso “manipulou” julgamentos, diz Joaquim Barbosa
Blog de



Vice-presidente do STF acusa presidente anterior de agir de forma “inconstitucional” e “ilegal”
O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa atacou duramente o ex-presidente da Corte Cezar Peluso.
Joaquim Barbosa chamou Peluso de “ridículo”, “brega”, “caipira”, “corporativo”, “desleal”, “tirano” e “pequeno” em entrevista à jornalista Carolina Brígido, disponível para assinantes do jornal “O Globo”.
Mas para além dos ataques mais pessoais, o mais relevante foi uma acusação feita por Joaquim Barbosa: “Peluso inúmeras vezes manipulou ou tentou manipular resultados de julgamentos, criando falsas questões processuais simplesmente para tumultuar e não proclamar o resultado que era contrário ao seu pensamento”.
Trata-se de acusação gravíssima. Se o ex-presidente do STF de fato cometeu tal manipulação, é necessário investigar. Abre-se uma crise institucional.
O “Globo” explica que Joaquim dá como exemplo do que seria a manipulação de Peluso julgamentos de políticos por causa da Lei da Ficha Limpa.
Eis o que diz o ministro Joaquim Barbosa: “Lembre-se do impasse nos primeiros julgamentos da Ficha Limpa, que levou o tribunal a horas de discussões inúteis; [Peluso] não hesitou em votar duas vezes num mesmo caso, o que é absolutamente inconstitucional, ilegal, inaceitável”.
Esse caso seria o do julgamento de 14.dez.2011 no qual o STF livrou Jader Barbalho da Lei da Ficha Limpa e assim deu ao político do Pará o direito de voltar ao Senado.
Esse julgamento estava empatado em 5 a 5 (o tribunal tem 11 integrantes). À época, o STF divulgou uma nota a respeito: “Diante do impasse, a defesa de Jader ingressou com o requerimento [para que fosse usado o voto de qualidade], que foi apresentado ao Plenário pelo presidente Cezar Peluso. ‘Consulto o plenário se está de acordo com a proposta?’, questionou o presidente. A decisão pela aplicação do dispositivo foi unânime. O relator do processo, ministro Joaquim Barbosa, não participou da decisão porque está de licença médica”.
Joaquim considerou a atitude de Peluso errada: “[Peluso] cometeu a barbaridade e a deslealdade de, numa curta viagem que fiz aos Estados Unidos para consulta médica, ‘invadir’ a minha seara (eu era relator do caso), surrupiar-me o processo para poder ceder facilmente a pressões…”.
Joaquim Barbosa dá a entender que se considera vítima de preconceito de cor dentro do STF, ele que é o primeiro ministro negro da Corte. “Alguns brasileiros não negros se acham no direito de tomar certas liberdades com negros”, declarou na entrevista.
E mais: “Ao chegar ao STF, eu tinha uma escolaridade jurídica que pouquíssimos na história do tribunal tiveram o privilégio de ter. As pessoas racistas, em geral, fazem questão de esquecer esse detalhezinho do meu currículo. Insistem a todo momento na cor da minha pele. Peluso não seria uma exceção, não é mesmo?”.
As declarações de Joaquim Barbosa foram dadas, em parte, como resposta a uma entrevista concedida por Cezar Peluso ao site “Consultor Jurídico” em 18.abr.2012. Peluso nessa entrevista chama Barbosa de “inseguro”.
Ao ser indagado o que achava de ter sido chamado de “inseguro”, Barbosa respondeu: “Permita-me relatar um episódio recente, que é bem ilustrativo da pequenez do Peluso: uma universidade francesa me convidou a participar de uma banca de doutorado em que se defenderia uma excelente tese sobre o Supremo Tribunal Federal e o seu papel na democracia brasileira. Peluso vetou que me fossem pagas diárias durante os três dias de afastamento, ao passo que me parecia evidente o interesse da Corte em se projetar internacionalmente, pois, afinal, era a sua obra que estava em discussão. Inseguro, eu?”.
post scriptum 1: ao falar sobre sua suposta insegurança, Joaquim Barbosa disse também: “Peluso se esqueceu de notar algo muito importante. Pertencemos a mundos diferentes. O que às vezes ele pensa ser insegurança minha, na verdade é simplesmente ausência ou inapetência para conversar, por falta de assunto. Basta comparar nossos currículos, percursos de vida pessoal e profissional. Eu aposto o seguinte: Peluso nunca curtiu nem ouviu falar de The Ink Spots! Isso aí já diz tudo do mundo que existe a nos separar…”
post scriptum 2: The Ink Spots foi um grupo de vocalistas muito popular nos EUA nas décadas de 1930 e 1940. O Ink Spots ajudou a definir gêneros musicais como “rhythm and blues” e o próprio “rock and roll”. Um grande sucesso do grupo foi  “If I dind’t care“, de 1939. Em portuguës, “se eu não me importasse”… muito apropriado para o momento pelo qual passa o STF.

quarta-feira, 18 de abril de 2012


Ainda se distorcem sobre
episódios da história do RN. (1)
Luiz Gonzaga Cortez. *
Eu sempre gostei de escrever sobre alguns assuntos controversos, polêmicos, contraditórios e distorcidos de nossa história. Motivo: você lê uma reportagem sobre um episódio e, tempos depois, aparece outra versão sobre o mesmo, às vezes do mesmo autor. Você um documento publicado num livro novo ou velho e depois você vê o mesmo documento inserido noutro livro com distorções, isto é, com inserção de texto que não existia na edição anterior. Desde os anos oitenta do século passado que leio e ouço distorções de acontecimentos políticos, históricos, culturais e sociais. Já fui entrevistado por estudantes de comunicação e ciências sociais da UFRN sobre o integralismo, fascismo e o comunismo no Rio Grande do Norte e quando indagado sobre o totalitarismo, respondia sempre que o comunismo soviético, com a tomada do poder pelos bolcheviques, na Rússia, em 1917, foi o pioneiro. Mas os jovens universitários só escrevem que foi o nazismo com a chegada de Adolf Hitler ao poder na Alemanha em 1933. Antes de Hitler, Benito Mussolini, em 1926, já tinha implantado a sua ditadura totalitária na Itália, com apoio da burguesia industrial, dos monarquistas e da Igreja Católica.
Quando se aborda a revolução russa, antes e durante outubro de 1917, não se registra a importância de Leon Trotski. O destaque é para Vladimir Lênin. Você já viram fotos de Trotski e Lênin juntos, na praça Vermelha, antes da tomada do Kremlin? Pois é, a ditadura de Stálin escondeu durante décadas as fotos nas quais aparecem Trotski discursando para a multidão de operários em Moscou. E observem que Trotski foi o comandante do Exército Vermelho... mas terminou sendo assassinado no México, a mando de Stálin. E sobre Chu En Lai e Li Shao Chi vocês, já leram alguma coisa a respeito deles na condução da revolução comunista chinesa? E sobre Camilo Cienfuegos na revolução cubana que levou Fidel Castro ao poder, em 1959? Pouca coisa se sabe sobre as verdadeiras causas do seu desaparecimento.
Mas tomemos outro exemplo, este muito recente, sobre as comemorações dos 100 anos da Semana de Arte Moderna de 1922, em São Paulo. Você, caro leitor, leu ou viu na mídia impressa e eletrônica alguma coisa sobre a participação do jornalista e escritor Plínio Salgado? Menotii Del Picchia saiu alguma copisa? Não, ninguém viu. A mídia só se lembra de Mário de Andrade, Anita Mafalti, Pagu e outros. Motivo? Por ter criado o movimento integralista, com forte influência do fascismo italiano, Plínio Salgado foi ferrenho adversário dos comunistas liderados por Luis Carlos Prestes. Por isso, hoje, ele não é citado nem lembrado pela imprensa, muito menos pela poderosa rede de televisão privada brasileira. Apesar de liderar um movimento considerado de direita e revolucionário, Plínio Salgado fez campanha contra o banqueirismo e o capitalismo internacional, com sedes em Londres ou em Nova York. Você sabia que Luís da Câmara Cascudo, o folclorista potiguar, conheceu Plínio Salgado através de uma carta de Mário Andrade, um intelectual considerado de esquerda e ligado ao partido comunista?
A história é a do vencedor. Ou você tem dúvidas de que os ditadores árabes que caíram recentemente foram instalados no poder com apoio dos Estados Unidos. E mais: Fidel Castro, Pinochet (Chile), Pol Pot (Cambodja), Saddam Hussein (Iraque), Suharto (Indonésia) e outros, inclusive os generais brasileiros pós 1964, receberam ajuda da CIA para os golpes e rebeliões que realizaram para dominarem seus povos durante décadas. Quem lê fica sabendo. Quem não lê nem pesquisa, adota versões dos vencedores.
Na semana passada, após dois anos de veiculação na Internet, soube que existe uma monografia, de autoria de um estudante de história da UFRN, na qual ele registra que publiquei um livro em 1985, sobre a revolta comunista, com base em versões orais e por simpatia ao partido comunista. Hahahaha. Eu não publiquei nenhum livro em 1985. Sobre o integralismo no RN, publiquei um livreto em 1986. Sobre Luís da Câmara Cascudo no integralismo, publiquei em 2004 um livro de apenas 120 páginas. A respeito da revolta comunista publiquei outro livro em 2005. Sobre a “intentona” e o herói de arque, voltaremos no próximo artigo.
Luiz Gonzaga Cortez é jornalista e pesquisador.


 

terça-feira, 17 de abril de 2012

Leia uma carta em português sem acentos.


 CARTAS DA EUROPA 1
>
> (NOVA SERIE)


 Uma viagem  a Ilha da Madeira

> Vou dar seguimento  as
> minhas “Cartas da Europa”, interrompidas a algum tempo, relatando minha recente
> viagem a Ilha da Madeira, pertencente a Portugal, isolada no meio do Atlantico, a 600 km ao norte de Marrocos.

> Parti do aeroporto de Gatwick, na Inglaterra, num charter
> que despeja semanalmente centenas de turistas ingleses avidos por
> temperaturas
> mais quentes em meio a um inverno tao frio. Apos um voo de tres horas e
> meia,
> aterrissamos no aeroporto  Santa
> Catarina, unico em Madeira, que eh uma obra prima de engenharia. Como a ilha
> nao tem grandes espacos planos, o aeroporto foi construido metade sobre
> colunas de concreto.
>
>
>
> A ilha recebe  turistas o ano todo, de modo que praticamente
> nao existe baixa-estacao. Muito finlandes, muito alemao. Todos os dias chega
> um
> cruzeiro e houve dias em que vi ate 3 cruzeiros no porto. No  centro da
> capital, Funchal, a primeira
> atracao que visitei foi o Mercado dos Lavradores, bem organizada, exibindo
> entre outros, produtos exoticos como banana, maracuja, um tipo de pinha
> chamado
> anona, tudo cultivado na ilha, que tem 54 km de comprimento e 23 km de
> largura
> somente. Fiz uma excursao a parte oeste da ilha, passando pelas montanhas do
> centro, e num determinado ponto chamado Encumeada, vi o mar no norte e no
> sul.
>
>
>
> As casas sao construidas em terreno escarpado sobre planos
> superpostos, de modo que as ruas e estradas sao sempre ladeira acima,
> ladeira
> abaixo num zigue-zague continuo. O unico vale existente fica na cidadela de
> Curral das Freiras, rodeadaa de montanhas vulcanicas. Este foi o refugio
> entrado por freiras da ordem de Sta. Clara numa epoca (1566) em que a ilha
> era
> assaltada por piratas.
>
>
>
> Funchal vive exclusivamente do turismo; a quantidade de restaurants e cafes eh enorme, o que aumenta a     competicao e baixa os precos.
> Em meio a uma temperature de 23 graus C fiz diversos passeios: caminhadas a pe
> ao longo de “levadas” (canais de irrigacao construidos no seculo XVIII),
> passeios no teleferico, visita ao Jardim Botanico, ao Museu de Arte Sacra,  a cidade velha reformada. Se voce acha que falando portugues vai se virar bem em Madeira, cuidado, pois o sotaque la eh mais forte que o de Lisboa e tive em varias ocasioes de pedir para repetir porque nao entendia bulufas.


> A comida eh razoavel, nao muito sofisticada. Existem tres
> tipos de cafe: “bica”, que eh um cafezinho simples; “garoto”, que eh um
> cafezinho com leite; e “chinesa”, que eh uma media de cafe com leite. Muita
> sopa, muita salada. Um sanduiche meio estranho chamado “bolo de caco”, que
> nao passa de um pao incrustado de presunto e passado na manteiga com alho.
>
> A minha melhor lembranca de Madeira foi a visita ao Museu de
> Arte Sacra, que exibe belissimos objetos de arte antigos, sobretudo do
> seculo XVI. Mas lamentei a falta de praia. Uma ilha cercada de mar e sem praia ...
> De qualquer maneira eu recomendaria ir a Madeira a qualquer um. Vale a pena.
>
> Maria English (Gracinha)
>
> PORTSMOUTH, Inglaterra
>
> Abril, 2012
>

A Paraíba já está atrás do diretor do DNOCS. E o RN?

Governador solicita apoio do Dnocs para projetos de irrigação

Imprimir


Terça-feira, 17 de abril de 2012 - 17h44
O governador Ricardo Coutinho solicitou apoio para projetos de irrigação e manutenção de barragens durante audiência, nesta terça-feira (17), com o diretor geral do Departamento Nacional de Obras Contra a Seca (Dnocs), Ramon Flávio Rodrigues. Na conversa, realizada no Palácio da Redenção, Ricardo Coutinho demonstrou preocupação com os impactos na agricultura e pecuária provocados pela escassez de chuva este ano.
O governador, acompanhado do secretário de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, João Azevedo, solicitou apoio ao diretor do Dnocs para desenvolvimento de projetos destinados à irrigação de 15 mil hectares de terras nas proximidades do canal Acauã-Araçagi e outro para  irrigar 2.600 hectares no município de Pombal e 1 mil hectares em Paulista.
Dentre os pleitos estão, ainda, o projeto de aproveitamento hidroagrícola das áreas da montante dos açudes Estevam Marinho/ Mãe D´água, que prevê o beneficiamento de 13.145 hectares por meio de parcelamento da área da bacia, construção de rede viária e eletrificação.
Para o governador Ricardo Coutinho, a audiência com o diretor geral do Dnocs foi importante para a discussão e o andamento dos projetos de irrigação como forma de combater os efeitos da seca na agricultura e na pecuária, que este ano dá sinais de que será mais rigorosa que nos anos de 2010 e 2011.

Várzeas de Sousa- Durante a audiência, também foi discutida a conclusão do projeto de irrigação, gestão e desapropriação de terras no perímetro irrigado das Várzeas de Sousa. “Esse é um projeto que está em fase de conclusão e precisamos organizar a sua gestão e concluir a sua ocupação em uma área que falta ser disponibilizada e licitada”, explicou.

Ramon Rodrigues destacou que existe uma determinação para recuperação de alguns açudes e barragens que vão receber a integração de bacias do Rio São Francisco. E adiantou que o governo encaminhou pleitos de projetos antigos e novos como a questão da irrigação do projeto das Vertentes Litorâneas. “Diante de uma perspectiva de seca, é preciso ter uma gama de alternativas para minimizar e reverter esse quadro de falta de chuvas no semiárido nordestino”, disse.