quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Tombamento salva prédio da cobiça de imobiliária.

Casarão do Clube de Radioamadores é tombado

Publicação: 22 de Agosto de 2013 às 00:00
Fonte: Tribuna do Norte.
O casarão branco de varanda articulada em arcos, encravado no número 1004 da Av. Rodrigues Alves, sede do Clube de Radioamadores e do Clube de Engenharia no Tirol, foi tombado pelo Patrimônio Histórico do Município. A portaria 50/2013 publicada na edição de ontem do Diário Oficial, afasta de vez o fantasma da especulação imobiliária que rondava um exemplar original da arquitetura influenciada pela presença norte-americana na primeira metade do século 20 em Natal.
Júnior SantosDe arquitetura arrojada, casarão da Rodrigues Alves foi a primeira sede para radioamadores construída no BrasilDe arquitetura arrojada, casarão da Rodrigues Alves foi a primeira sede para radioamadores construída no Brasil

De acordo com a portaria assinada pelo presidente da Fundação Capitania das Artes, Dácio Galvão, o tombamento está embasado no “significativo valor histórico, artístico, arquitetônico e cultural” que a edificação representa no contexto urbano. “O casarão tem importância cultural e social, foi a primeira sede para radioamadores construída no Brasil exclusivamente com esta finalidade. Do ponto de vista arquitetônico é um projeto arrojado, um casarão desses que estão desaparecendo em Natal e pode não sobrar nenhum para contar a história”, disse Hélio Oliveira, do Departamento de Patrimônio da Funcarte que emitiu o parecer favorável ao pedido de tombamento. Construído em 1949, no período pós-Segunda Guerra Mundial, o casarão traz estrutura semelhante às casas da Aeronáutica que existem até hoje em Parnamirim.

Aprovado por unanimidade pelo Conselho Municipal de Cultura, o tombamento foi solicitado por Álvaro José Ferreira Nunes, radioamador e interessado na preservação do lugar. Ele lembra que não enfrentou resistência dentro do Clube e que “não seria justo” que o lugar tivesse outro destino. “É uma relíquia arquitetônica encravada em uma área nobre da cidade, foi um bem para todos nós”, acredita.

A conselheira Odinélia Targino participou da votação e recorda que o parecer avaliou uma série de características do prédio, como ausência total de estrutura em concreto armado, alvenaria do contorno em pedras facejadas, alvenaria interna em tijolos maciço, revestimento de areia barrada e cimento, piso com base em concreto simples com revestimento cerâmico da época e forro madeira de ipê. “O casarão tem 64 anos e o estado de conservação é muito bom. Os métodos são originais da época. Acredito no peso do valor simbólico desse tombamento”, disse Odinélia.

Um comentário:

  1. Eis um bom assunto para a imprensa natalense cobrir com profundidade. O prédio estaria em vias de permuta/venda com a construtora Moura Dubeux, segundo fontes do Clube de Engenharia e CREA.. O terreno pertence ao Estado. O casarão ao Clube dos Radioamadores, atualmente acéfalo, em virtude de ter sido superado pelo avanço tecnológico (Internet, telefonia móvel, etc), mas com usufruto do Clube dos Engenheiros. A Lagoa Manoel Felipe, mais uma vez, é salva na hora do gongo, isto é, não está condenada a se tornar uma fossa a céu aberto, como o rio Potengi (Guarapes), aliás, de rio só tem o nome. Parabéns a Prefeitura pelo tombamento e os engenheiros pelo sucesso da luta pela preservação do casarão.

    ResponderExcluir