sábado, 30 de novembro de 2013

Isaura Rosado sugere intervenção no Instituto Histórico.

Piso antigo do Instituto Histórico é removido sem autorização

Publicação: 28 de Novembro de 2013 às 00:00Tribuna do Norte
No Facebook, a presidente da Fundação José Augusto e secretária de cultura do Estado, Isaura Amélia Rosado, sugere que o IPHAN intervenha no Instituto Histórico e Geográfico do RN.
A cena é contraditória e intrigou quem enxerga em edifícios tombados pelo patrimônio histórico a necessidade de preservação: desde terça-feira, um entulho precioso ocupa a calçada em frente ao Instituto Histórico e Geográfico do RN. Em obras para reparos emergenciais, o edifício construído em 1906 – e tombado desde 1984 – teve parte de seu piso de ladrilho hidráulico retirado antes de um parecer técnico e a devida autorização por parte do Iphan-RN. O fato causou mal estar entre membros da atual diretoria, empossada em março deste ano, e ainda não se sabe o que será feito para tentar minimizar ou mesmo contornar a situação. O piso não era o original, mas estava instalado no local há pelo menos cinco décadas – período estimado.

Nesta quinta-feira, haverá reunião entre a diretoria do IHGRN e técnicos do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional no RN para esclarecimentos sobre o ocorrido. Onésimo Santos, superintendente do Iphan-RN, confirmou ao VIVER que a mais antiga entidade cultural do RN deu entrada com pedido solicitando orientação e sondagem do piso. “A documentação estava incompleta, então solicitamos outros documentos para emitirmos um laudo técnico. A remoção foi feita sem autorização, não levaram em consideração nossa diligência e, independente do valor histórico, não esperaram o parecer do Iphan-RN”, avaliou Santos.
magnus nascimentoIHGRN: Decisão em tirar o piso causou divergência entre membrosIHGRN: Decisão em tirar o piso causou divergência entre membros

Ormuz Simonetti, vice-presidente da entidade, autorizou a remoção sob a justificativa de que o piso estava afundando. “Havia rachaduras por todo lado e a ameaça real de desabar por completo, muitas partes estavam ocas. Conversei com algumas pessoas e a restauração era difícil de ser feita. O reaproveitamento do material retirado também é inviável”, garantiu Simonetti. A presidência do IHGRN é ocupada por Valério Mesquita, que tem suas ressalvas quanto a real necessidade da atitude radical.

Ele disse que já visitou uma fábrica aqui em Natal, que trabalha com esse tipo de ladrilho, para tentar encontrar modelos parecidos para repor quando for feita a obra definitiva de ampliação e modernização do IHGRN. De acordo com Ormuz, o metro quadrado do ladrilho hidráulico custa em média R$ 150, “pois o processo é todo artesanal”.

O vice-presidente adiantou que o novo projeto inclui criação de um espaço no subsolo e um mezanino, e isso implicaria em “fazer esse serviço mais cedo ou mais tarde. Até lá,  como vamos ter que trocar tudo de novo depois, o plano é colocar uma cerâmica de baixo custo”. O projeto para ampliação e modernização do Instituto está orçado em R$ 8 milhões, mas esses recursos ainda não possuem fonte definida. Vale lembrar que a emenda ao orçamento do Estado em 2013 destinando R$ 200 mil, aprovada no início deste ano por unanimidade na Assembleia Legislativa, até agora não foi liberada.

Um comentário:



  1. Isaura Amelia Rosado Maia O INSTITUTO HISTORICO E GEOGRAFICO RECEBEU AUTORIZAÇAO DO IPHAN? O CENTRO HISTORICO ESTA TOMBADO, PORTANTO, NECESSARIA AUTORIZAÇAO. NENHUMA SOLICITAÇAO FOI ENVIADA A FJA. O PREDIO TAMBEM É TOMBADO PELA LEI ESTADUAL.
    28 de novembro às 20:39 via celular · Curtir · 4

    Isaura Amelia Rosado Maia O IPHAM E A FJA DEVEM INTERVIR URGENTEMENTE.
    28 de novembro às 20:41 via celular · Curtir ·

    ResponderExcluir