quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

E não é que acaba mesmo!
Oh,
We close our eyes
The perfect life, life
Is all we need
(Moby)
 
De tanto roubar frases - o único roubo que a minha mãe ainda me permite fazer-, estou começando a me esquecer de onde e de quem foi feito o furto... Ah, viva o esquecimento! O que o cérebro não lembra; o coração não sente, não é mesmo?!
Pois bem, acho que foi Shakespeare quem disse: “Os gregos inventaram de tudo, até mesmo o homem”. Então, se o escritor inglês tiver mesmo razão, ao inventar o homem, eles inventaram também uma forma de explicar o amor e o desamor.
E está lá na mitologia grega a história de Orfeu e Eurídice: após ser picada por uma cobra, no dia do seu casamento, ao andar sozinha na floresta... (aqui abro um parêntese: o que danado Eurídice, com tanta coisa melhor para fazer, no dia do seu casamento, foi andar sozinha na floresta? Interessante é que a mesma pergunta eu faço a Eva: com tantas frutas para serem comidas, foi logo comer a maçã? É... caro leitor: a literatura é machista! A culpada é sempre a mulher... fecho aqui o parêntese!). Volto a Eurídice. Morta pela picada da cobra. Orfeu inconsolado e extremamente apaixonado, pega sua lira, vai ao mundo dos mortos, tentar convencer Hades a deixá-la voltar ao mundo dos vivos. E não é que Orfeu consegue. A música tem esta magia. Encanta até o sujeito que é ruim da cabeça e doente do pé...
Hades libera Eurídice. Ela pode voltar. Mas... Se... então, houve duas condições: “Eurídice pode voltar, mas você vai à frente e ela vai logo depois; se você olhar para trás, Eurídice morrerá novamente”... e lá se foi Orfeu, sem celular, sem WhatsApp, para mandar uma mensagem: “E aí, meu amor: tudo beleza aí atrás?!”. E Orfeu não resiste! Orfeu olha para trás. Eurídice morre! Pois para os gregos, ao olhar para trás, Orfeu mostrou a sua desconfiança em Eurídice... a desconfiança é uma arma mortal para o amor.
Interessante é que Padre Antônio Vieira, que considero um dos maiores escritores, colocou a distância, o tempo e a ingratidão, como armas mortais para destruição do sentimento maior, e real sentido da vida: o amor. Mas se esqueceu de colocar a desconfiança como a mais mortal delas...
Viver é negócio muito perigoso, já dizia Guimarães Rosa. E quem vive apaixonado, amando ao que faz, corre um risco terrível de ao olhar para trás, tornar o seu amor algo sem sentido. Pois a desconfiança, do olhar para trás, leva a racionalização do amor. E o amor não pode ser nem visto, nem explicado e nem entendido (leiam Eros e Psiquê), sob pena dele ser destruído. Era por isso que Eros (Cupido) andava com uma venda nos olhos...
Portanto, sem tirar a venda dos meus olhos, consigo enxergar outra coisa interessante: Nelson Rodrigues, meu outro guru na literatura, afirmava que se o amor acabou era por que não era amor. Discordo! Amor acaba sim!
Em 16/05/1964, Paulo Mendes Campos escreveu uma crônica para a revista Manchete, cujo título era “O AMOR ACABA”. E para o escritor mineiro, não é que acaba mesmo... Acaba em “apartamentos refrigerados, atapetados, aturdidos de delicadeza, onde há mais encanto que desejo; acaba em salas esmaltadas com sangue, suor e desespero (aqui caro leitor, qualquer semelhança com os nossos hospitais de urgências é mera coincidência); na usura o amor se dissolve; o amor acaba e em Brasília, o amor pode virar pó; às vezes, o amor acaba como se fosse melhor nunca ter existido... a qualquer hora o amor acaba; por qualquer motivo o amor acaba: para recomeçar em todos os lugares e a qualquer minuto o amor acaba”...
Ensinar, eu já disse e vou repetir milhões e milhões de vezes, é um ato de amor. E ensinar medicina (a arte de amar ao próximo) é duplamente um ato de amor. Portanto, pelo amor de Deus: não nos obriguem a olhar para trás! Não nos façam - além de voltar o nosso pescoço para trás-, retirar a venda que cobre os nossos olhos. Deixem-nos continuar cegos! “Não existe nada mais aborrecido no mundo do que a ida ao oftalmologista para que ele nos avalie o grau dos óculos e escolha as novas lentes”... pois, o professor vive de sonhos. Vive de ilusões. Vive na certeza ingênua que vai mudar o mundo; vai mudar as pessoas. O professor pode sim, como escreveu Francisco Azevedo, no seu livro “O Arroz de Palma”, ser aquele farmacêutico a passar o algodãzinho com álcool, soprar a bunda da terra e lhe aplicar à injeção que nos aplacará todas as dores..
Eu sei que tudo isso não passa de um romantismo barato e louco – e que as bolsas de valores, as relações on line, etc. etc. são o que interessam-, mas não se esqueçam: “louco é aquele que perdeu tudo, menos a razão”... e ai daquele que desejar viver sem uma ilusão. Pagará um preço muito alto por isso!
Pois AMOR “é um prato que, quando se acaba, nunca mais se repete!”.
Francisco Edilson Leite Pinto Junior – Professor, médico e escritor.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário