domingo, 23 de março de 2014

Na prática à práxis marxista é outra
Tomislav R. FemenickMestre em economia, contador e historiador

Práxis é uma forma de pensamento que procura explicar a conduta humana em relação à política, à economia e à moral. Se buscarmos suas raízes as encontramos nas ideias de Platão, que procurou direcionar a ação política pela teoria. Já Aristóteles entendia que a conduta humana, em relação à vida e suas relações socioeconômicas, se caracteriza por uma objetividade concreta e não por reflexões teóricas. O próximo grande salto foi dado por Hegel, que definiu a práxis como um processo de interação da objetividade e da subjetividade tendo por base o pensamento e a ação do homem, como agente das transformações sociais.
Já a práxis marxista, é um conceito que procura explicar as ações humanas que objetivam transformar a sociedade. Marx postula a existência de uma teleológica nas ações do homem, relacionando ações com causas objetivas, fato que explicaria as grandes lutas revolucionárias. A práxis marxista (aqui simplificada) é a base da argumentação que dá suporte a outro pensamento central do marxismo: o conceito de modos de produção, uma concepção abstrato-formal, um processo de ascensão do concreto para o abstrato, de descida progressiva do abstrato para o concreto e, finalmente, de comprovação empírica.
Em “A ideologia alemã”, Marx e Engels afirmam que a forma como a sociedade está organizada para a produção de bens identifica uma “fase de desenvolvimento das suas forcas produtivas materiais” que, por sua vez, determina as relações de produção entre os homens. Sobre essa estrutura econômica é que se ergueria uma supraestrutura social, alicerçada em um ordenamento político que se fundamentaria em formulações jurídicas, ambos (ordenamento político e formulações jurídicas) resultantes da consciência da sociedade, esta também consequência das relações de produção. Assim, o “processo da vida social, política e espiritual em geral” seria resultante do modo de produção vigente. Todavia esse estado de coisa teria caráter precário, pois a própria evolução das relações de produção criariam choques de interesses entre as classes sociais, abrindo, “assim, uma época de revolução social”.
Esse posicionamento deu ensejo ao desenvolvimento da teoria do “etapismo”. Engels foi o primeiro (Origen de la familia, de la propriedad privada y del Estado) a apontar para o gradualismo, sendo seguido por Lênin (Acerca del Estado, in Marx, Engels e el marxismo). Enquanto o primeiro tomou como campo teórico a Europa ocidental, o segundo deu uma amplitude geral ao conceito dos degraus evolutivos. Porém o “etapismo” só foi sacramentado como dogma do marxismo quando Stalin (Materialismo dialético e materialismo histórico) reconheceu como históricos somente “cinco tipos fundamentais de relações de produção: a comuna primitiva, a escravatura, o regime feudal, o regime capitalista e o regime socialista”.
Ora, todas essas contorções teóricas tiveram por objetivo sentenciar o fim do capitalismo, que seria vitima de si mesmo: o crescimento do capital exige o crescimento do proletariado que, vivendo na miséria, se engajaria na luta pela derrubada do regime, fazendo surgir o socialismo que viria no bojo da ditadura do proletariado. A realidade contradisse toda essa argumentação. Embora não o ideal, nos regimes verdadeiramente capitalistas houve um crescimento continuado do padrão de vida dos trabalhadores, enquanto que o socialismo “científico” veio e foi embora. Somente restaram Cuba e a Coréia do Norte, simples ditaduras hereditárias. China e Vietnã só têm de comunista o nome do partido no poder.

Tribuna do Norte. Natal, 23 mar 2014.

O Mossoroense. Mossoró, 15 mar 2014.

Moacir de Lucena - 100 anos.

CONVITE
O Presidente da União Brasileira de Escritores - UBE/RN
– ROBERTO LIMA DE SOUZA e o Presidente da Academia Norte-Rio-
Grandense de Letras – DIÓGENES DA CUNHA LIMA convidam Vossa
Senhoria e família para o Centenário do Escritor Moacir de Lucena
(depoimentos e exposição) a transcorrer no dia 27 de março, às 19h, no
auditório da Academia Norte-Rio-Gradense de Letras – ANL.
Local: ANL - Rua Mipibu, 443 - Petrópolis
Hora: 19h
Data: 27.03.2014 (quinta-feira)

Agora é a França na procura do Boeing 777.


AVIÃO DESAPARECIDO

Satélite francês detetou mais objetos na área de busca

por AFP, traduzido por Susana SalvadorHoje4 comentários
Austrália coordena buscas, a mais de 2000 quilómetros de Perth
Austrália coordena buscas, a mais de 2000 quilómetros de PerthFotografia © Reuters/Rob Griffith
A Malásia anunciou ter recebido imagens satélite da França que mostram objetos a flutuar ao largo da Austrália, na principal zona de busca do Boeing 777 da Malaysia Airlines, que desapareceu há mais de duas semanas.
Nas imagens é possível ver "o que parecem objetos próximo do corredor sul", uma zona do oceano Índico na qual se suspeita que o avião se possa ter despenhado e onde atualmente decorrem as buscas, indicou o Ministério dos Transportes da Malásia num comunicado.
As imagens vão ser transmitidas à Austrália, que coordena as buscas, não tendo sido dados pormenores sobre o tamanho, número ou localização dos tais objetos.
Outros objetos já foram detetados por satélite na região, a mais de dois mil quilómetros de Perth, entre a ponta sudoeste da Austrália e a Antártica.
"Ainda é muito cedo para ter a certeza, mas todas as provas apontam para sinais muito credíveis e há uma esperança crescente de que estamos próximos e saber o que aconteceu ao avião", tinha dito mais cedo o primeiro-ministro australiano, Tony Abbott.
O voo MH370 , que fazia a ligação entre Kuala Lumpur e Pequim, desapareceu após a descolagem a 8 de março com 239 pessoas a bordo.
Fonte: dn.pt