sábado, 29 de novembro de 2014

Misteriosa escultura 'fálica' causa polêmica em Milão

  • 28 novembro 2014
Crédito: Marcelo Crescenti/BBC Brasil
Localizada em uma praça da cidade, obra que parece representar quatro órgãos masculinos eretos dividiu moradores
Uma escultura surgida da noite para o dia em uma praça de Milão vem provocando protestos na cidade. A obra, instalada na Piazza Risorgimento, na zona central da cidade do norte da Itália, é composta de quatro estruturas que se assemelham a aspargos, dedos ou – segundo muitas pessoas – órgãos masculinos eretos.
"Têm indubitavelmente uma forma fálica", comentou o jornal La Repubblica.
Moradores e políticos conservadores locais criticaram fortemente a escultura, que ninguém parecia saber de onde viera - ou como viera.
Especulações se multiplicaram nas redes sociais sobre a origem da obra: as versões eram de que se tratava desde uma brincadeira de mau gosto até uma provocação por um artista de vanguarda.
A vereadora Silvia Sardone, do partido de direita Forza Italia - do ex-premiê Silvio Berlusconi -, foi uma das que protestaram pela presença de um "símbolo fálico" em uma praça frequentada por crianças e idosos.
"É uma obra constrangedora e que vem causando muito desgosto aos moradores locais", afirmou Sardone. A vereadora exigiu a retirada do que chamou de "monumento ridículo".

Mistério resolvido

Em um primeiro momento, a prefeitura de Milão informou que não sabia de onde tinha vindo a escultura. A cidade chegou até a declarar que poderia mesmo retirá-la da praça.
No entanto, a secretaria de Cultura municipal acabou pondo um fim ao mistério: a estátua com o título Four Sentinels (Quatro Sentinelas), foi feita pelo artista americano Gavin Kenyon, e deverá ficar exposta na praça milanesa até janeiro de 2015.
O secretário de Cultura de Milão, Filippo Del Corno, defendeu a obra. "Sabemos que ela causou polêmica e discussões, mas essa é uma reação frequente com obras de arte", disse ele.
Segundo Del Corno, a escultura representaria "uma nova interpretação dos monumentos da cidade através de um processo de abstração e experimentação de novas formas".
Em um bar à frente do monumento, o assunto gerou polêmica imediata. Há quem considere a escultura divertida: "Acho que pode ser considerada uma exaltação da sexualidade", brinca um morador.
A obra, no entanto, não agradou outra moradora: "É uma obra ridícula, devia ser retirada já". Informada de que a escultura vai ficar ali até janeiro, ela criticou: "É horrível".
Houve um consenso entre os frequentadores do bar: independentemente do conceito original, a escultura, segundo eles, parece mesmo representar quatro falos eretos.

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

CURIOSIDADES- Sobre a 3ª Ponte para o Potengi .

CURIOSIDADES- Sobre a 3ª Ponte para o Potengi

  
Adicionar estrela  

FRED ROSSITER - È engenheiro civil e professor da aposentado da UFRN.

28 de novembro de 2014 11:57
Para: ABREU EMAIL NOVO 

Estou compartilhando com vcs esse diálogo básico inicial sobre a possibilidade de construção da 3ª ponte, apenas por curiosidade e interesse de cidadão, não sou especialista no assunto, nem desejo cargo no governo.
 
Retirei os nomes  dos/das colegas que deram informações para não exacerbar alguma eventual discussão mais calorosa.
 
É conveniente ler esse e-mail a partir do final ,são 4 textos básicos introdutórios (questões e respostas) curtos bem separados  espero que as figuras coladas no e-mail estejam visíveis.
 
Observem  pelas figuras o investimento considerável q será necessário nas duas margens da possível nova ponte
 
Quem tiver alguma informação ou opinião e quiser compartilhar  , será interessante.
 
 
 
____________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

Bom dia, Fred!

1. A planície de mangue constitui APP;
2. Para intervir numa Área de Preservação Permanente - APP a Legislação abre uma "brecha" para casos excepcionais tal como as obras de utilidade pública e cita quais, ou sejam: abastecimento de água, drenagem, esgoto e sistema viário (RESOLUÇÃO CONAMA No 369, de 28 de março de 2006);
3. O problema que vejo, é que foram feitos dois EIA/RIMA' e ambos descartaram duas localidades - Baldo e RAMPA (alternativas locacionais), devido ao chamado "canal de navegação" que adentra para o estuário se aproximando da margem direita (lado da Marinha). Daí a Marinha exigiu uma ponte com a altura de 50,00m (salvo engano)  o que, pela tecnologia da época, obrigava a ponte a ter seu caimento lá pela Cidade da Criança (quando no Baldo) e lá p'rá dentro de Santos Reis (quando da área da Rampa).
____________________________________________________________________________________________________________________________________________________
Em relação às áreas de salina/mangue vc sabe se existem restrições para construção de vias por lá ?  Todas as 4 opções vão impactar nesse aspecto
 
Fred, certamente que sim. Mas engenharia (boa) é para resolver esses problemas. Se assim não fosse,  não haveria um metro quadrado de construção em Miami que é construída em cima de pântanos! (só existe porque R S não é de lá kkkk.)
____________________________________________________________________________________________________________________________________________________
Fred,bom dia
 
 
Não sei se você já ouviu falar em uma proposta de Arnaldinho Gaspar, presidente do Sinduscon: ele advoga que se tirar o canteiro central da ponte de Igapó, aumentar as duas laterais, como foi feito em balanço no viaduto de Ponta Negra, teríamos mais a terceira faixa nos dois sentidos, mais acostamento. Além disso, a bela ponte, quase destruída, poderia ser re-aproveitada e reformada para passagem de motos e bicicletas. Esse fluxo iria necessitar de adequações no transito, nas saidas e chegadas da ponte. O problema não está na ponte,(QUE ALIAS PRECISA DE URGENTE MANUTENÇÂO), mas sim, complementações  e obras de adaptação.
 
 A região metropolitana tem estudos de corredores ferroviários entre ceará Mirim, Extremoz, passando na Zona Norte, e outro indo até Parnamirm que poderia ser levado até S.J.Mipibu, integrando-se a onibus para outras regiões de Natal. Este estudo, demorou 1 ano, com técnicos de todas as áreas (universidades, população, governo), feito por Tania Barcelar. Nunca foi sequer aberto ou discutido no conselho da região metropolitano (inativo, morto, quase enterrado!).
Gostaria de continuar discutindo,  abraços

 

Subject: CURIOSIDADE- 3ª Ponte para o Potengi
Date: Sun, 23 Nov 2014 21:56:38 -0300

Oi
 
    Estão começando a discutir a construção da ponte 3 sobre o Potengi, fiquei curioso de analisar pelo que saiu na imprensa  e tenho dúvidas básicas como cidadão.
 
Entrei no GOOGLE MAPS para visualizar melhor...
 
As 4 opções "em estudo" atravessam a área de salinas/mangues  e irão requerer obras relevantes em ambas as margens, não será barato. 
 
 
1- PROPOSTA DO PROF. RUBENS RAMOS (publicada no Jornal TN)
A ponte seria mais ou menos no ponto 1 indicado abaixo (sequência da ALEXANDRINO DE ALENCAR e Base Naval), entroncando na AV Itapetinga na Zona Norte, o traçado é meu não do projetista.
 
 
2- PROLONGAMENTO DO VIADUTO DO BALDO 
 
3- Prolongamento da Capitão Mor Gouveia para S.G. do Amarante
 
4- Perto do Porto (Av. Tavares de Lira)
 
A pergunta: essa área de salinas é de preservação? á a ZPA-08 ? pode construir a ponte atravessando e entroncando através dela por novas vias ? ver segunda figura