Principais fatos

  • As manifestações foram convocadas e promovidas pela internet por ao menos três grupos de ativistas: MBL (Movimento Brasil Livre), Revoltados On Line e Vem Pra Rua
  • Os partidos de oposição PSDB e DEM declararam apoio formal aos protestos
  • A pauta de reivindicações não é única. Ela vai desde críticas ao governo Dilma Rousseff a pedidos de impeachment e intervenção militar
  • Os protestos estão acontecendo neste domindo em ao menos 16 cidades brasileiras e reúnem milhares de pessoas
  • Um grupo de 100 manifestantes protesta em Londres

Notícias ao vivo

Compartilhar

16:34

O canal de TV a cabo Globonews mostra imagens da Polícia Militar detendo um grupo que portaria fogos de artifício e outros armamentos na região da Avenida Paulista. O grupo veste camisetas com a inscrição "Carecas do Subúrbio".

16:16

Jefferson Puff - @_jeffersonpuff, Da BBC Brasil no Rio de Janeiro
Vestido com uniforme e portando crachá da Petrobras, o engenheiro de projetos Aurélio Luz, de 32 anos, veio protestar contra o governo e a crise na petroleira e defende o impeachment da presidente.
"Antes tinha orgulho de mostrar o crachá e dizer onde trabalho. Agora, a autoestima dos colegas está muito baixa".

16:02

Jefferson Puff, Da BBC Brasil, Rio de Janeiro
No Rio, mais cedo, o deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ), conhecido pelas posições conservadoras no Congresso, se disse a favor do impeachment. "O Brasil jamais poderia estar sendo governado por uma guerrilheira. O país não pode virar uma Venezuela".

15:56

Mariana Schreiber, Da BBC Brasil em Brasília
Eleitoras de Lula no passado e de Dilma em 2010, a advogada Juliana Santos e sua mãe, a professora Maria Vagna Santos, optaram por Marina no primeiro turno de 2014 e por Aécio no segundo.
"Tenho vergonha de ter votado no Lula e na Dilma", diz.
Decepcionadas com o PT, as duas vieram ao protesto em Brasília, mas disseram ser contra golpe militar ou impeachment.
Na opinião delas, o problema da corrupção atinge a maioria dos políticos.
"Vim pedir a reforma política, com leis mais rígidas que impeçam corruptos de se candidatar", disse Juliana.
"Não acho que golpe é o caminho. Já tivemos ditadura e não deu certo".

15:52

Atualização da estimativa da PM: