sexta-feira, 10 de abril de 2015

Notícias da UFRN

Inauguração

(Sirleide Pereira - Ascom-reitoria/UFRN)

As novas instalações físicas do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil vão ser inauguradas no dia 17 de abril, às 16h, pela reitora Angela Maria Paiva Cruz e o diretor do Centro de Tecnologia (CT), José Daniel Diniz Melo. A solenidade acontecerá no Núcleo Tecnológico do Centro de Tecnologia, campus central, em Natal.





A partir de maio acesso ao contracheque somente via internet

(Sirleide Pereira – Ascom-reitoria/ UFRN)


A partir de maio próximo, servidores federais da ativa, aposentados e pensionistas são terão acesso aos comprovantes de rendimentos por meio eletrônico, ou seja, via internet.  Estabelecida pela Portaria n. 73-15, do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPG), a medida visa aumentar a eficiência e reduzir gastos com o processamento da folha de pagamento do poder executivo federal. A previsão é economizar até 40 milhões para os cofres da União, segundo o MPG.


Procedimento

Para visualizar o comprovante de rendimentos (contracheque), o servidor poderá fazê-lo a partir de senha pessoal, fornecida pelo Sistema de Gestão de Pessoas (Sigepe), antigo Siapenet. Para tanto, os interessados devem informar, no Sistema Integrado de Administração de Recursos Humanos (Siape), o endereço de correio eletrônico (e-mail) de uso pessoal.

No caso dos servidores da UFRN, esse trabalho pode ser feito pelo interessado na recepção da Diretoria de Atendimento de Pessoal, (DAP), sob acompanhamento dos servidores da diretoria.


---------------------------------------------------------------------------

PESQUISADOR DA UFRN CRIA ‘SORVETE ENERGÉTICO’ À BASE DE WHEY PROTEIN

Saudável, energético, baixo teor de gordura e sabor leve e refrescante. Esses são alguns dos diferencias do sorvete artesanal à base de um suplemento alimentar, o whey protein – composto isolado do soro do leite -, desenvolvido pelo professor substituto do Departamento de Engenharia de Produção, Luciano Queiroz de Araújo Junior, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

O sorvete de laranja é fruto da dissertação de mestrado “Aplicação do planejamento do experimento no processo de desenvolvimento de produtos: pesquisa em uma sorveteria artesanal”, do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção (PEP) da UFRN. O pesquisador estudou os processos de concepção, pesquisa e venda do produto, visando a integração entre a Universidade e o mercado.

Luciano Queiroz conta que, no decorrer da pesquisa, percebeu que nas micros e pequenas empresas, a área mais defasada é a de lançamento de produtos novos, por isso, resolveu investir no nicho das academias, que está em franco crescimento, e os frequentadores sempre aderem a um novo produto fitness. “A ideia desse sorvete é tentar quebrar um paradigma dos produtos existentes no mercado. Quando alguém fala de sorvete você pensa o quê? Em um alimento que não pode estar na sua dieta, devido às calorias e por ser um produto gorduroso”, ressalta.

Segundo levantamento feito pela Mintel, empresa global de pesquisa de mercado e consumo, nos últimos anos, o faturamento desse mercado no Brasil cresceu 26,5%. De acordo com o estudo, o setor vem crescendo, em média, 33% nos últimos cinco anos. Com isso, o Brasil é o 4º maior mercado de sorvetes no mundo, atrás de Estados Unidos, China e Japão. Dados da Associação Brasileira das Indústrias de Sorvete mostram que, nos últimos dez anos, o consumo cresceu 76,49%, atingindo 1,209 bilhão de litros em 2013.

De acordo com o pesquisador, o sorvete de whey protein é uma alternativa de doce saudável e uma fonte rica de proteínas, carboidratos e fibras, pois contem uma média de 0,25% de gordura, um valor ínfimo comparado com outros produtos. Na fabricação as inovações não param, além da inserção do suplemento proteico, se utiliza a biomassa da casca da banana verde, em substituição à gordura e para dar consistência, suco e raspas da casca da laranja.




À VENDA

Por enquanto, o sorvete de whey protein está sendo comercializado em Natal e em Pipa, nas lojas da Sorveteria Artesanal Real de 14. O engenheiro de produção, Luciano Queiroz destaca que a venda do sorvete superou as expectativas e agradou os paladares, inclusive dos atletas das academias adeptos de shakes (público-alvo da pesquisa). Além disso, o lucro é animador.


Todavia, os nutricionistas recomendam o consumo do sorvete logo após a prática de atividades físicas regulares ou de forma esporádica, como caminhadas, porque a capacidade de absorção da proteína pelo organismo é maior quando se está em movimento, e o nutriente é melhor processado pelo metabolismo ajudando no processo de construção e reparação muscular.
Fonte: Ielmo Marinho em foco.
Nota: Qual o teor de açúcar? O Ministério da Saúde autorizou a venda do produto?

segunda-feira, 6 de abril de 2015

Quase zero é zero
Tomislav R. Femenick – Contador e mestre em economia.

Como contador tenho que trabalhar com números absolutos, portanto tenho que considerar os números com a representatividade que eles têm. Assim, “1” representa uma unidade de valor (um real de disponibilidade, uma máquina, de débitos com terceiros etc.). Em outras palavras: qualquer número deve ser entendido pelo ser valor absoluto, o valor próprio do algarismo.
Todavia, como economista tenho que me comportar de maneira diferente; nem sempre os números têm que ser vistos por esse prisma, principalmente quando eles são resultados de estatísticas. Nessas ocasiões tenho que olhar os números por outro ângulo, pelo seu valor relativo, pois ele é um valor posicional a uma outra grandeza.
A recente divulgação do PIB de 2014 na ordem de 0,1 foi uma paulada, o pior resultado para a economia nacional, desde 2009, ano do auge da crise econômica mundial, quando a marolinha que Lula dizia se transformou em tsunami. Porém acho que o resultado do ano passado foi pior ainda. Tudo é possível, levando em consideração o comportamento do governo de alterar dados e de adotar uma contabilidade criativa para mascarar resultados.
Ora, se em termos relativos quase zero pode ser considerado zero, dependendo da extensão decimal adotada e, ainda, o histórico de não rigor matemático dos atuais donos do poder, nada nos impede de suspeitarmos de que nosso crescimento foi negativo e não somente zero. Porém o mais importante é analisarmos como o governo está tratando do assunto. Adotar medidas para mudar o rumo é corretíssimo. Porém há que se considerar que medidas são essas. Até agora o ministro Levy (um estranho no ninho petista) somente anunciou medidas que tiram recursos dos trabalhadores, das empresas e dos investimentos, fugindo do âmago do problema que são os gastos crescentes com a manutenção da máquina governamental. No final do mandato FHC o executivo federal possui algo entre 70 e 80 mil funcionários, hoje são quase 230 mil; além de que os salários dos altos escalões subiram muito além dos índices inflacionários. Um exemplo típico é a proposta – que será discutida na próxima assembleia de acionistas – de um aumento de 13% para executivos da Petrobras, empresa que vive a maior crise de sua história.
Por outro lado, são tantos os funcionários, são tantos os cargos de mando que a máquina pública emperrou e não consegue andar, resultado da burocracia criada para justificar esses cargos. Sobrou para a iniciativa privada que tem que viver com tantas exigências e tantos procedimentos que tem que seguir. Há ainda o fato de que ninguém decide nada e o jogo de empurrar protela tudo.
Outro ponto a ser considerado é a enormidade de obras que foram iniciadas e que estão paralisadas ou quase parando. A transposição do Rio São Francisco, a Ferrovia Transnordestina, as linhas de transmissões dos parques eólicos são apenas alguns exemplos de investimentos que deveriam estar produzindo recursos, mas que, não concluídos, estão aumentando os custos.
Enquanto se contingencia os investimentos de interesse nacional, o governo federal continua gastando nossos impostos com projetos que beneficiar governos amigos. Não bastasse o perdão das dividas de ditadores africanos etc. e tal, agora quer investir R$ 60 milhões para reformar a usina térmica Rio Madeira e doa-la à Bolívia de Evo Morales. Nesse negócio dois aspectos têm que ser destacados. Primeiro, nós estamos vivendo uma crise energética sem precedentes e nada justifica gastarmos dinheiro para resolver problema de geração de energia dos outros, por mais hermanos que sejamos. Segundo, Evo Morales é aquele mesmo que mandou o exercito da Bolívia invadir as instalações da Petrobras.
 Aumentar juros, impostos, gasolina, conta de luz e outras medidas semelhantes são medidas fáceis de tomar. Difícil é conter os gastos do governo, que estão fora de qualquer controle.

Tribuna do Norte. Natal, 04 abr. 2015.

domingo, 5 de abril de 2015

O que fazer quando o seu celular fica lento?

  • 4 abril 2015
Compartilhar
Alguns celulares demoram até para executar as funções mais simples
O que fazer quando o celular está tão lento que demora até para realizar as tarefas mais simples, como enviar uma mensagem de texto?
Independentemente do sistema operacional do aparelho, é possível adotar algumas medidas que ajudam o celular a funcionar mais rápido.
A BBC Mundo, o serviço em espanhol da BBC, compilou algumas delas:

Apagar, apagar, apagar

Pode não ser fácil, mas apagar arquivos - fotos, vídeos, músicas, mensagens de texto e voz, longas conversas registradas no WhatsApp, downloads feitos nos últimos meses (ou anos) - é um primeiro passo para agilizar o celular.
Aplicativos que não estão sendo usados também se incluem neste grupo. Muitas vezes instalamos apps, usamos uma ou duas vezes e esquecemos deles, mas eles ocupam espaço.

Reiniciar

Outra ação simples é reiniciar o aparelho.
Se ele funciona com o sistema Android, a reiniciação pode ser feita com o mesmo botão usado para ligar e desligar.
No sistema iOS, é preciso desligar o celular pressionanto o botão no canto superior direito e voltar a ligá-lo.

Fechar apps que não estão sendo usados

Por esquecimento ou praticidade, muitas vezes deixamos os aplicativos abertos, mesmo sem usá-los.
Quando vários estão abertos, às vezes por dias ou semanas seguidas, o celular fica mais lento.
Muitos aplicativos abertos ao mesmo tempo podem deixar aparelho mais lento
Tanto nos celulares iOS como nos Android, isso pode ser corrigido com um toque na tela sobre o aplicativo a ser fechado para, então, deslizar o dedo.

Para usuários do Android

A informação armazenada na memória "cache" do celular reduz o tempo que o dispositivo necessita para cumprir uma função, porque permite ao sistema acessar essa informação com facilidade. Sendo assim, é útil para acelerar o telefone.
No entanto, há aplicativos que armazenam dados que consumem espaço no telefone - e que, em alguns casos, podem afetar o bom funcionamento deles próprios.
Para resolver esse problema, Jerry Hildenbrand, colunista do site AndroidCentral, especializado no sistema operacional do Google, recomenda:
"No caso específico de um app, a memória 'cache' é eliminada seguindo as instruções de sua página de informação. Mas também pode-se fazer uma limpeza geral pela função 'dados de cache', na seção de armazenamento do dispositivo, nas configurações", diz Hildrebrand.
Já Mark Wilson, colunista de outra publicação especializada, o AndroidPit, sugere "eliminar da tela os 'widgets' (espécie de aplicativo com funções limitadas) que não são usados com frequência".
E agrega: "Se o 'launcher' (algum dos múltiplos desenhos usados na tela principal para organizar os ícones) tiver animações e efeitos especiais, vale a pena rever sua configuração porque eles desaceleram o telefone".

Para usuários do iOS

David Price, da publicação especializada MacWorld, tem várias ideias para que os celulares Apple funcionem com rapidez:
  • Atualizar o sistema operacional sempre que possível
  • Desativar todas as funções automáticas oferecidas pelo dispositivo. Isso pode ser feito na seção de "configurações"; "iTunes e AppStore"; "apagar downloads automáticos" (isso é útil para usuários iOS7 e iOS8).
  • Uma opção mais radical é "restaurar" o telefone a partir de uma cópia do back-up da informação armazenada no aparelho. Isso se consegue com a função "restaurar o back-up" no iTunes (com base no back-up mais recente que você tiver feito no computador), quando o celular estiver conectado a um computador Mac.
Lisa Eadicicco, do site Business Insider, dá mais uma sugestão: "Trate seu iPhone como se fosse um computador. Isso quer dizer que você tem que regularmente limpar o histórico do navegador, selecionando a função 'limpeza de cookies' no Safari. Você encontra isso na seção 'configuração'."
Fonte: BBC.