sexta-feira, 2 de outubro de 2015

quinta-feira, 1 de outubro de 2015


Natal, o patinho feio




. João Felipe da Trindade (jfhipotenusa@gmail.com)
Matemático, sócio do IHGRN e do INRG.
Jerônimo de Albuquerque, quando recebeu a Fortaleza dos Reis Magos, tinha uma missão a cumprir: apaziguar os índios a fim de se poder instalar a cidade do Rio Grande. Em 25 de dezembro de 1599, dia do Natal de Jesus Cristo, a nossa cidade foi inaugurada.
Mas o berço da nossa cidade parece que não atraia as pessoas que vinham para cá, tendo muitas delas moradias nas redondezas. Os relatos dos nossos visitantes do passado não eram nada elogiosos, começando com Nassau, que já encontrou a cidade destruída pelos embates aqui travados, e sem nenhuma melhoria por parte de seus comandados. Alguns moradores solicitaram na época da presença dos batavos por aqui a construção de uma nova cidade. Tollenare e Koster também não fizeram nenhum elogio maior nas suas anotações.
Em um dos relatórios dos holandeses sobre o Rio Grande, estava escrito: Já teve uma cidade chamada Cidade do Natal, situada a uma légua e meia do Castelo Ceulen, rio acima, mas está totalmente arruinada, pelo que foi consentido aos escabinos e moradores levantar uma nova cidade em Potigi, pois é terreno fértil e melhor situado para os seus habitantes. Deverão construir de início um Paço da Câmara para aí terem o seu tribunal de justiça.
Koster, em 1810, quando aqui esteve, escreveu: Cheguei às 11 horas da manhã à cidade do Natal, situada sobre a margem do Rio Grande ou Potengi. Um estrangeiro que, por acaso, venha a desembarcar nesse ponto, chegando nessa costa do Brasil, teria uma opinião desagradável do estado da população nesse País, porque, se lugares como esse são chamados cidades, como seriam as vilas e aldeias? Esse julgamento não havia de ser fundamentado e certo porque muitas aldeias, no Brasil mesmo, ultrapassam  esta cidade. O predicamento não lhe foi dado pelo que é, ou pelo que haja sido, mas na expectativa do que venha a ser para o futuro.
Tollenare, que viveu em Recife, nos anos de 1816 e 1817, escreveu: Natal, conquanto capital, é ainda assaz insignificante; conta apenas 700 habitantes; mas, espera-se que chegará a um alto grau de prosperidade, porque o seu porto, que pode receber navios de 150 toneladas é excelente e próximo das regiões cultivadas.
Sendo um centro de defesa de nossa Costa, o Rio Grande do Norte e sua cidade, não merecera,, por isso, maior atenção, principalmente por sua dependência com a Bahia, Pernambuco e Paraíba.
Mais adiante, ainda no século XIX, quiseram mudar novamente a capital do Rio Grande. É o que encontramos no relatório com que abriu a 1ª sessão ordinária da Assembleia Legislativa Provincial do Rio Grande do Norte o Exmo. Sr. Governador Dr. Henrique Pereira Lucena, no dia 5 de outubro de 1872,  quando falou sobre a construção da estrada de ferro
“No relatório do meu antecessor encontrareis, em apenso, cópia do contrato que em 8 de junho último celebrou com o engenheiro da província João Carlos Greenhalgh e o major Affonso de Paula de Albuquerque Maranhão, em virtude de autorização que lhe foi concedida pela lei nº 630 de 26 de novembro de 1870, para a construção de uma estrada de ferro pelo sistema –Tram-way, que partindo desta capital se dirija ao vale do Ceará-mirim, passando pelo de S. Gonçalo, e de uma ponte de ferro de sistema misto sobre o Rio Potengi no lugar Refóles.
Conquanto o referido contrato esteja somente dependente de vossa aprovação na parte relativa à ponte, todavia  entendo que esta circunstância não impede que o aprecieis sobre todas as suas faces, a fim de verificardes, como é do vosso dever, se nele foram ou não consultados e devidamente protegidos os direitos e interesses  da província, principalmente no tocante à mudança da capital, que já tem preocupado mais de uma administração e ao próprio governo geral, e que em um contrato, como o de que se trata, não devia ser esquecida, mas sim tomada na maior consideração, e sujeita a um detido e refletido exame.
Pelos dados estatísticos que vos tenho apresentado, vê-se que a província do Rio Grande do Norte não é tão pobre, como à primeira vista parece, e compreende-se facilmente que em um futuro mais ou menos remoto que sejam removidas as causas primordiais do atraso de sua agricultura e comercio, facilitando-se-lhe, além disso, os meios de transporte, de que tanto precisa.
Posto que com mais de 80 léguas de costa arenosa e estéril possui ela, no entanto, terrenos de uma fertilidade assombrosa, apropriados à cultura de cana do açúcar, fumo, algodão e mesmo do café, que produz maravilhosamente nos lugares denominados – Extremoz e Arêz.
A exportação do açúcar e do algodão faz-se já em larga escala, competindo o primeiro desses produtos, muito superior ao da Paraíba, com o de Pernambuco, nos mercados estrangeiros;  outranto, porém, não pode dizer-se do fumo, que muito mal cultivado, é ainda pessimamente preparado, assim como do café, cuja cultura nem ao menos foi ensaiada.
É realmente para admirar, que uma província, que noutras áreas adquirira os foros de criadora, e que no tempo da guerra da restauração holandesa servia de celeiro à cidade do Recife, que ela extraía o gado e farinha de mandioca, de que precisava para sustento de sua população faminta, mande hoje aos talhos de sua capital número mais que limitado de gado bovino, magro, cansado e por preço elevadíssimo, chegando a importar diretamente das província limítrofes e algumas vezes mesmo do Rio de Janeiro a farinha precisa para seu consumo.
Além da geral incúria e falta de iniciativa de seus habitantes (é forçoso dizê-lo), cumpre apontar como uma as principais causas desse estado desanimador, em que se acham todas as fontes de produção e riqueza da província, a péssima posição topográfica de sua capital, o pior lugar, sem contestação alguma de toda a província, quer como cidade igual a outras do interior, quer como sede principal da autoridade e centro produtor donde se irradiem para as extremidades a civilização, comércio, indústria e artes.
Situada na margem direita do Potengi, ou Rio Grande, a uma légua pouco mais ou menos de sua foz, acha-se a cidade do Natal, por assim dizer, comprimida e asfixiada, do lado do Sul e Leste por alteroso morros de areia, mais ou menos movediça e improdutiva, e do lado de Este por um longo e imenso lençol d’água, que para o oceano conduz o Potengi.
O seu pequeno comércio acha-se inteiramente avassalado ao da praça de Pernambuco, e mais ou menos sujeito ao de algumas povoações circunvizinhas, onde a facilidade do transporte tem tornado mais cômodo e menos dispendioso o tráfico mercantil.
É-lhe pouco abundante a água potável, e faltam-se absolutamente as estradas regulares e fáceis que a ponham em comunicação com o interior da província  da qual se acha, por assim dizer sequestrada.
No exterior, em um raio de mais de duas léguas quase nenhuma cultura; no interior causa dó ver as suas ruas estreitas e tortuosas, compostas ela mor parte de palhoças, cercadas de matos, verdadeiras capoeiras, e de imundícies.
A ideia, pois, da transferência da capital para um outro local, para a planície denominada –Carnaubinha, por exemplo, fronteira a Guarapes, é por demais transcendente e de necessidade indeclinável, visto ser o único ponto conhecido que mais vantagens oferece para isso.
O lugar ali é inteiramente plano na extensão de uma a duas léguas quadradas; indo suave e gradualmente subindo para o interior das terras, a ponto de se tornar quase insensível o pendor do terreno. Acham-se à pequena distância, quase à mão, o barro, a areia, a cal e a madeira necessária para a construção, além de sofrível pedra de cantaria e pedra própria para o calçamento à meia légua pouco mais ou menos de distância. Possui considerável abundancia d’água potável da melhor qualidade, notando-se uma lagoa ou poço na Carnaubinha, uma fonte d’água cristalina e dois fortes riachos perenes em Guarapes, além do caudaloso rio Pitimbú, que corre à menos de uma légua distante; o Cajupiranga não menos caudaloso, poucas braças mais longe, e entre ambos a formosíssima lagoa Parnamirim.
Mudando para aquele lugar a capital, e lançada sobre o rio uma pequena ponte de madeira que, quando muito poderá custar uns 20:000$000, ficará a cidade admiravelmente situada, e para melhor me exprimir, colocada no centro de um vasto perímetro constelado de cidades e povoados mais ou menos distantes, tais como S. José e Ceará-mirim à cinco léguas, aproximadamente, cada uma com estradas traçadas em terreno plano e consistente; Extremoz, com sua extensa e piscosa lagoa; S. Gonçalo, Macaíba, Santo Antonio, Utinga, Ferreiro Torto e Pitimbú; e finalmente a cidade do Natal a três léguas por água, podendo muitas dessas povoações servi-lhe  de arrabaldes.
Além disso, convém notar que o tráfico mercantil em Guarapes, em tempo em que ali ainda residia o major Fabrício, lutou com vantagem  com o do Natal e sobrepujou o da Macaíba, apesar de ser Fabrício negociante único naquele lugar; afluindo de todos os lados compradores  aos seus armazéns, até mesmo do sertão da Paraíba e desta capital.
Como sabeis, da sua foz até o ponto de Guarapes, forma o Potengi uma verdadeira doca natural de mais de três léguas de extensão, e de profundidade mais ou menos considerável, servindo-lhe de segundo quebra-mar a ponta do morro e os bancos de areia denominados – As velhas - , fronteiros ao porto da Redinha; o que o torna de incontestável superioridade sobre o da Paraíba, e quiçá sobre o de Pernambuco, embora careça de melhoramentos.
Com uma profundidade variável de 3 a 7 pés acomodou o porto Guarapes por vezes galeras de mais de 500 toneladas de arqueação. Somente no exercício de 1869 a 1870 carregaram naquele porto para fora do Império vinte navios de diferentes lotações; ombreando desta forma com o porto do Natal, que dentro do mesmo período carregou vinte e um.
Como vereis pelo mapa, em apenso, a diferença entre as medidas dos carregamentos dos dois sobreditos portos nos dez últimos exercícios andou por 27/10 % (?); diferença que só por aí constitui um dos melhores argumentos a favor do Guarapes, principalmente se atender-se que até 1868 a casa comercial Fabrício & C. lutou com sérios tropeços, que posteriormente foram removidos, e que no penúltimo exercício de 1870 a 1871 resolveu ela acabar com todo o negócio por motivo de moléstia de seu proprietário.
Com relação à estrada de ferro contratada, a primazia de Guarapes sobre Natal não sofre discussão.
O capital orçado para a estrada de que se trata, é de 800:000$000 e a garantia que a província tem de pagar anualmente, na razão de 6% é de 48:000$000. Ora, se a capital for transferida para Guarapes a estrada custará apenas metade da quantia orçada, isto é, 400:000$000, descendo também a garantia à metade, que vem a ser 24:000$000. A ponte no porto do Natal, segundo o contrato, custará 250:000$000, enquanto que a que se fizer no de Guarapes não excederá talvez de 20:000$000.
Ainda com relação a ponte, nota-se que não devendo ela ser movediça, mas sim fixa, segundo o contrato, a navegação do rio por vapores e navios de alto bordo, na distância de três léguas, se tornará impossível; porquanto o rio ficará literalmente fechado para tais embarcações; inconveniente este que não se dará no porto de Guarapes, porque, desse ponto para cima, o rio só pode ser navegado por barcaças e canoas.
Considere-se mais, que a estrada de ferro devendo acompanhar uma as margens do rio, e sendo ambas alagadas, incultas e desabitadas, nenhum lucro dará aos empreiteiros ou à companhia, que se organizar, principalmente nos primeiros dez ou vinte anos; além de que quase todos os produtos  que atualmente tem saída pelo porto da Macaíba continuarão a vir por água para esta cidade,  por ser esta espécie de transporte mais cômoda e barata. Colocada, porém, a capital em Guarapes, e devendo dali partir a estrada de ferro, esta percorrerá uma zona toda povoada e cultivada, e nenhuma concorrência sofrerá da parte do rio para o transporte das mercadorias, que tiveram de ser conduzidas àquele mercado.
Eis, Senhores, o que me cumpria dizer-vos com referência a um assunto de tanta magnitude, e a que se liga tão estreitamento o futuro da província. Considerai, que são já 273 anos que a cidade do Natal é a capital da província. E que o seu aspecto é o de uma vila insignificante e atrasadíssima do interior.
Considerai, que a província é um corpo sem cabeça, e que é devido exclusivamente a esta circunstância que ela se conserva à retaguarda de todas as suas irmãs.
Cumpre arrancá-la desse estado de abatimento e de torpor. Não vos entregueis à inércia e ao indiferentismo, ao contrário, reagi com todas as vossas forças contra estas duas traças destruidoras de todo o progresso.

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte | Assessoria de Imprensa - 28.09.2015
Este e-mail não está abrindo corretamente?
Veja no seu navegador.

RN pela Transposição: Senadora Fátima Bezerra destaca importância do evento
 

Crédito da foto: João Gilberto
 
A senadora Fatima Bezerra (PT), que integra a Comissão Temporária de Acompanhamento das Obras de Transição do São Francisco concedeu entrevista durante evento RN pela Transposição e disse que a situação do Rio Grande do Norte é extremamente complicada porque a expectativa é que 2016 seja mais um novo ano de seca.
 “Daí a importância deste evento. Queremos aqui fazer um apelo ao Ministro Gilberto Occhi, que ao lado dessa obra seja garantido o canal de quatro quilômetros, que liga a barragem de Caiçara, na Paraíba, à barragem  Armando Ribeiro Gonçalves para que as águas cheguem antes do previsto”, disse ela.
O evento RN pela Transposição acontece na manhã desta segunda em parceria da Assembleia Legislativa com o Senado e reúne autoridades e lideranças do Rio Grande do Norte, contando ainda com a presença do ministro da Integração Nacional, Gilberto Occhi.
 

domingo, 27 de setembro de 2015

27/09/2015 09h19 - Atualizado em 27/09/2015 10h39

Em noite e madrugada violentas, 14 pessoas são mortas na Grande Natal

Entre as vítimas está um policial militar morto em confronto com assaltantes.
Dois suspeitos de atirarem no PM também estão entre os mortos.

Anderson BarbosaDo G1 RN
Soldado Daniel Henrique da Silva, de 34 anos, trabalha na guarda da Cadeia Pública de Natal (Foto: Divulgação/Polícia Militar)Soldado Daniel Henrique da Silva, de 34 anos,
trabalhava na guarda da Cadeia Pública de Natal
(Foto: Divulgação/Polícia Militar)
A noite do sábado (26) e a madrugada deste domingo (27) foram bastante violentas na Zona Norte de Natal. Registros do Instituto Técnico-Científico de Polícia (Itep) mostram que 11 pessoas foram mortas a tiros em um intervalo de apenas oito horas. Uma outra vítima foi assassinada no bairro do Alecrim, já na Zona Leste da cidade, e outras duas executadas no distrito de Oitizeiro, em Ceará-Mirim, cidade que pertence à região Metropolitana da capital potiguar.
A primeira ocorrência aconteceu por volta das 18h30 do sábado, quando soldados do Batalhão de Operações Policiais Especial (BOPE) se depararam com dois homens que teriam acabado de assaltar uma idosa na Av. Tomaz Landim. Houve troca de tiros e um dos suspeitos foi baleado. Randerson Silva Nascimento, de 23 anos, ainda foi socorrido ao Hospital Santa Catarina, mas não resistiu ao ferimento. 
Pouco tempo depois, na Av. Castelo Branco, no bairro Pajuçara, dois homens atiraram contra dois policiais militares que trabalhavam como seguranças de uma padaria. Ambos foram socorridos. Um deles, o soldado Daniel Henrique da Silva, de 32 anos, faleceu ao dar entrada no hospital. O colega dele, o também soldado Manuel Medeiros da Cunha, permanece internado na UTI.
Meia hora depois, equipes da Rocam, do 4º Batalhão da PM e do BPChoque cercaram uma residência na rua Canto das Flores, que fica no conjunto Nova República. Com a chegada da polícia, houve um novo confronto. Dois suspeitos de terem participado do tiroteio na padaria morreram e outros dois foram presos. Um dos mortos foi identificado como Jodinaldo Teodósio de Araújo, de 29 anos. Já o comparsa, ainda permanece sem identificação. Contudo, segundo o tenente Augusto Gadelha, do BPChoque, ambos foram reconhecidos por testemunhas como sendo os assaltantes que atiraram nos PMs. Já os dois presos, os irmãos Jansen Fernandes Lima, de 21 anos, e Joel Fernandes Lima, de 20 anos, foram levados para a Delegacia de Plantão da Zona Norte e apontados como responsáveis por darem fuga e esconderijo aos assaltantes.
A quinta morte aconteceu já na madrugada deste domingo. Foi na rua Wilma de Farias, na comunidade Dom Pedro I, onde Josenildo Ferreira Teixeira, de 31 anos, sofreu vários disparos de arma de fogo. No local, moradores disseram não ter informações sobre a motivação do crime, muito menos pistas dos assassinos.
Pouco tempo depois, um novo homicídio foi registrado. Desta vez na rua Sampaio Correia, no bairro de Nossa Senhora da Apresentação, onde o adolescente Breno Gabriel Araújo de Aguiar, de 17 anos, também foi morto a tiros.
Em seguida, o alvo foi José Alcides da Silva Júnior, de 37 anos, morto a tiros na rua Guararapes, no bairro de Lagoa Azul. A polícia disse que também não há pistas dos criminosos.
O oitavo assassinato aconteceu na rua Esdras César da Silva, no Panatis, ocasião em que dois homens atiraram contra um jovem que estava em uma motocicleta. A vítima também não foi identificada até o momento.
Outro homem, cujo corpo também não foi identificado, foi assassinado na rua Moema Tinoco.
O décimo homicídio, o de um homem que também ainda não foi identificado, aconteceu na rua Senador Carlos Alberto, no Jardim Progresso.
Por fim, na comunidade da África, no bairro da Redinha, uma pessoa foi assassinada com tiros na cabeça. O corpo também permanece sem identificação.
Zona Leste
Além das 11 mortes na Zona Norte de Natal, uma pessoa também foi assassinada a tiros na Zona Leste da cidade. O crime aconteceu na avenida Presidente Sarmento, próximo ao mercado da Av. 6. A vítima foi identifica como Kleber Luiz de França, de 33 anos. Ninguém foi preso.
Ceará-Mirim
Já em Ceará-Mirim, dois homens foram mortos no distrito de Oitizeiro. A polícia também não tem a identificação das vítimas nem detalhes de como aconteceu o crime ou mesmo suspeitas de quem cometeu o duplo homicídio.